Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Segunda-feira, 1 de Outubro de 2007
Histórias curtas XXXI - Pelos trilhos do betão (parte II e última)
Lá fora já não chovia e os candeeiros da rua estavam acesos.
Voltou a descer a rua com a passada lenta e o olhar perscrutante, dirigindo-se para uma zona mais moderna da cidade.
Agora as pessoas não eram tão visíveis. O anoitecer torna as gentes que andam na rua mais anónimas: menos pessoas e mais sombras.
Estava a caminhar por uma pequena área comercial que trespassava de lado a lado um moderno e enorme prédio de betão quando viu um homem já de certa idade, barba por fazer, cabelo desgrenhado e sujo, a deitar-se num curioso arranjo de caixas de cartão. Era a sua casa!
O Álvaro não resistiu:
- Boa noite! Já vai dormir?
- Sim! Sou doente dos pulmões e canso-me muito. Preciso de descansar.
O homem dos óculos redondos olhou para o desgraçado e notou um ar macilento que a barba disfarçava a um primeiro olhar. Ouviu-o tossir e reparou na sua magreza. Pensou:
- Este coitado não vai viver muito tempo. Doente dos pulmões e a viver assim...
- E não se trata? – perguntou.
- Já fui a um médico que me deu uns medicamentos e me quis internar. Mas eu não quero estar preso.
- E já tomou os remédios?
- Já acabaram!
- E não vai buscar mais?
- Fizeram-me bem, os comprimidos, mas se vou lá eles podem querer internar-me...
- E comeu alguma coisa?
- Sim, senhor! Fui comer uma sopa dos pobres e um pão. Felizmente é perto daqui, senão nem forças tinha para ir e vir.
- E não tem frio?
- Graças a Deus estas caixas são boas e tenho bastante roupa. Passo bem a noite.
- E não tem nada para comer, aqui?
- Agora não!
- Então espere que eu vou buscar alguma coisa...
E o Leite foi a uma pastelaria e trouxe uns bolos, uns pacotes de bolachas e duas garrafas de águas.
Quando regressou o homem parecia estar a dormir.
- Ó senhor! Tenho isto aqui para si.
O pobre indigente mexeu a cabeça, reconheceu quem o chamava e sentou-se.
- Tome lá! Coma agora qualquer coisa e amanhã de manhã come mais.
- Muito obrigado! Deus o ajude como me está a ajudar a mim.
- Então boa noite! – despediu-se o benfeitor enquanto o miserável comia um bolo, visivelmente satisfeito.
E a caminhada prosseguiu.
Na rua formara-se um nevoeiro com alguma densidade e que pairava baixo.
De repente, ouviu uma voz a gritar:
- Agarra que é ladrão! Agarra que é ladrão!
Quasi ao mesmo tempo passou por ele, a correr, um rapazote.
Não conseguiu ver mais do que isso: que era um rapazote, e que pela velocidade com que fugia devia ser ele o ladrão.
Andou mais um pouco e a sombra que via à sua frente começou a tomar a forma de um homem. De um homem idoso que estava parado no passeio a vociferar baixinho enquanto olhava para o lado por onde tinha fugido o rapaz.
- Boa noite! – saudou o Álvaro – Foi o senhor que gritou para agarrarem o ladrão?
- Sim, fui eu! Maldito rapazola!
- Mas pareceu-me ser ainda muito novo...
- É novo mas um gabiru de primeira categoria – resmungou, ainda irritado, o velhote.
- E conhece-o?
- Sim! É um miúdo de dez ou onze anos que costuma fazer assaltos de...como se diz?
- Esticão!
- Isso! Costuma fazer assaltos de esticão por estas bandas. Aparece de vez em quando e de surpresa. À noite. No resto do tempo deve andar a malandrar e a roubar por outras zonas.
- E nunca ninguém o agarrou? Nem foi detido pela polícia? – inquiriu o homem da gabardina.
- Que eu saiba não! O senhor viu como ele corre? Ninguém o consegue apanhar e como é pequeno esgueira-se com uma facilidade incrível. Só lhe digo que não se pode andar na rua – queixou-se o lesado.
- Mas...porque anda o senhor, que até já não é novo, aqui à noite sabendo que pode ser assaltado? – interrogou o Leite.
- Estive ali no café com uns amigos e moro além, a cerca de trezentos metros. Confiei que num percurso tão curto nunca me roubariam, afinal... – e fez um esgar engraçado.
- E o que lhe roubou o rapaz?
- Uma pasta de couro antiga de que gostava muito. Trouxe-a porque com este tempo não queria molhar uns jornais e dois livros que levei para mostrar aos meus amigos – esclareceu o idoso.
E concluiu:
- Mostrei, mas fiquei sem eles! – desabafou, ainda chateado.
- Bom! Agora parece-me que não há nada a fazer, salvo apresentar queixa na Polícia.
- Pois é! Mas agora vou para casa! Talvez amanhã vá à esquadra. Mas já sei que não adianta nada...
- Então boa noite e tenha cuidado! – despediu-se o caminheiro.
- Boa noite e obrigado! Vou ter cuidado, vou...senão um dia ainda me matam!
E o Álvaro Leite, depois de tomar mais uns apontamentos, prosseguiu o seu caminho, agora com um passo mais rápido porque a temperatura já tinha baixado bastante.
Chegou a uma praceta onde confluíam várias ruas: cinco, para ser rigoroso.
Pelos passeios podiam-se ver mulheres a fazer trottoir ou encostadas às paredes ou aos candeeiros.
Transeuntes a pé, mas sobretudo potenciais clientes de automóvel, paravam para falar palavras breves com as mulheres da noite.
Umas entravam nos carros que arrancavam enquanto uns tipos, provavelmente proxenetas, anotavam as matrículas das viaturas que levavam mulheres. Outras entravam para pensões manhosas acompanhados por algum homem.
Olhou para todos os lados mas foi uma rapariga ainda nova, magra, loira, de botas e uma saia muito curta que lhe chamou mais a atenção.
Dirigiu-se a ela e verificou que já não era assim tão nova: teria uns trinta anos, mas não é fácil adivinhar a idade destas mulheres de vida tão irregular.
- Olá! Boa noite! – disse o Álvaro – Quanto é?
- Dois pratos, quinze euros, filho! – respondeu a mulher.
- E onde?
- Temos aqui esta pensão que é muito limpa. Tens de pagar mais cinco euros pelo quarto.
- Vamos então! – disse o homem.
Entraram e uma recepcionista com mais de sessenta anos, talvez nem tantos, com o cabelo rarefeito e uns óculos muito graduados disse:
- São cinco euros pelo quarto.
E virando-se para a prostituta disse:
- Podes ir para o 12.
O Leite pagou e ambos subiram umas escadas que rangiam a cada pé num novo degrau.
Uma vez dentro do quarto 12, que ficava perto das escadas, a mulher falou:
- Fecha a porta e dá-me o dinheiro. Tens camisa? Se não tiveres eu tenho aqui mas tens de pagar mais três euros.
Ele fechou a porta, tirou o dinheiro da carteira e disse à mulher:
- Escusas de te despir porque eu não quero ter sexo. Vamos conversar pois preciso de desabafar. Não há problema, pois não?
Ela fez uma careta esquisita mas anuiu:
- Por mim está bem!
Ele sentou-se na borda da cama, junto aos pés, e ela perto dele.
- Tens a certeza que o teu homem não se chateia? – perguntou ele.
- Não te preocupes que eu não tenho homem. Por isso não ataco os tipos dos carros. Prefiro vir para aqui. Mas tu és polícia? – falou ela.
- Não! Podes estar descansada. Tenho problemas com a minha mulher e às vezes preciso de conversar.
- E não precisas de foder?
- Também! Mas hoje não quero – esclareceu o Álvaro.
E continuou:
- Tu és bonita! Não arranjas outro modo de vida? Um dia estarás velha e feia, e depois?
- Espero que os meus filhos cuidem de mim como eu cuidei da minha mãe.
- Já morreu?
- Já! Disseram-me que com Sida. É por isso que eu só alinho com camisinha. Coitada da velhota. Sofreu muito! – confessou a meretriz.
- Também andava nesta vida?
- Sim! Mas no tempo em que ela começou não se tinha medo dessa doença terrível. Só dos esquentamentos e da sífilis.
- Mas tu és nova! Os teus filhos ainda são muito pequenos, calculo.
- Tenho vinte e sete anos. O rapaz tem nove e a rapariga tem sete. São filhos do mesmo homem. Mas ele foi de cana e apanhou dez anos. Agora sou eu sozinha a aguentar com tudo – lamuriou-se a mulher da vida.
- E onde vives? – continuou o interrogatório, o Leite.
- Vivo aqui perto num quarto, com os meus filhos. A dona é porreira comigo e vai-me ajudando alguma coisa.
- Mas pagas uma renda...
- Pois então! À borliú é que era bom!
- E quanto pagas?
- Cem euros por semana.
- Isso dá...cerca de catorze euros por dia, mais ou menos. Não me parece caro!
- Para mim é! Há dias bons, mas há outros muito maus. E tenho dois filhos para sustentar.
- Pois! Tudo é relativo. Como te chamas? Eu sou Jorge.
- Eu sou Andreia. Faz de conta... – e riu-se, a mulher, deixando ver que os dentes ainda pareciam estar em bom estado.
Olhou para o relógio e falou:
- Vamos embora! Tenho de arranjar mais clientes e daqui a pouco já não aparece ninguém.
- Ok! Um dia destes venho cá falar outra vez contigo, está bem?
- Tem a certeza que não é da polícia?
- Juro-te!
- Humm...quem mais jura mais mente!
Mas riu-se.
Saíram juntos e na rua despediram-se com um singelo:
- Boa noite!
 
Cerca de meia hora depois o Álvaro Leite entrou em casa.
Ouviu o televisor ligado e dirigiu-se à sala.
A sua mulher tinha adormecido no sofá. Acordou-a com doçura e beijou-a.
- Ah...és tu! Chegaste agora? – perguntou ela.
- Cheguei!
- Está a chover?
- Não, Sara! Já choveu qualquer coisa mas há horas que não chove. Mas está nevoeiro.
- E deu resultado esse teu deambular pela cidade?
- Muito interessante! Depois conto-te porque agora parece que estás é com vontade de ir para a cama – disse o marido.
- Pois estou! Só não fui porque estava à tua espera.
Fez uma pausa e concluiu:
- Que raio de mania esta de quereres ser escritor aos cinquenta anos...


publicado por António às 13:49
link do post | comentar | favorito
|

53 comentários:
De apps a 1 de Outubro de 2007 às 23:43
Gostei!
beijo *ap


De António a 2 de Outubro de 2007 às 00:15
Mas que laconismo, ó prima!

Beijinhos


De apps a 2 de Outubro de 2007 às 01:40
Laconismo é um modo breve ou conciso de falar ou de escrever. Foi uma das principais características da sociedade espartana, pois pela educação militar que recebiam estavam acostumados a receber ordens; militaristas, não falavam muito, e isso também se estendia a suas casas... hum, hum, hum, ...

talvez por ter ficado a meditar... e agora vou dormir, pois ontem deitei-me às 7' da manhã, sim, depois explico, mas é bom sentir o sol (a) nascer!...

beijo lacónico *ap


De António a 2 de Outubro de 2007 às 09:00
Como tu sabes consultar bem o Google!
ah ah ah

Beijo apertado


De apps a 2 de Outubro de 2007 às 13:52
li ontem uma crónica interessante e comovente, queres que te envie? beijo apertado *ap


De António a 2 de Outubro de 2007 às 18:10
É assim, priminha!
Estou completamente ocupado a escrever uma "História longa" e que, ainda por cima, pretende ser policial.
Por isso manda-me só se foi escrita por ti ou alguém conhecido.
Caso contrário, esquece!
Mas agradeço.
(acresce que só quero ler histórias q.b. porque me dão ideias que depois não posso utilizar pois seriam plágio; prefiro ser eu a inventar a partir do nada...percebes?)

Beijinhos


De redonda a 1 de Outubro de 2007 às 23:51
Gostei e tenho de tratar de retomar o hábito de ler o que escreve, porque escreve bem e prende o interesse...


De António a 2 de Outubro de 2007 às 00:17
Olá!
Obrigado pela visita.
Volta sempre!

Beijo


De Cusco a 2 de Outubro de 2007 às 11:12

Olá! Venho agradecer as simpáticas visitas e comentários nas minhas Viagens bem como os votos de parabéns que me foram endereçados.
Obrigado!
Bem já estive a inteirar-me dos últimos textos. Todos eles bons e dentro dos mesmos parâmetros a que vamos ficando habituados.
Este último é um dos melhores…Não sei porquê mas fez-me lembrar as deambulações do comissário Maigret…Todo o ambiente descrito, as personagens e as próprias situações fazem lembrar a simpática personagem que George Simenon criou..Só lhe falta o inseparável cachimbo…
Um abraço!


De António a 2 de Outubro de 2007 às 12:54
Olá!
Obrigado pela visita e comentário.
Curiosamente, nunca li nenhum policial do Simenon.
Dele, só li um livro muito bom: "O homem que via passar os combóios" que abordava a temática da evolução para a loucura.

Um abraço


De Paula Raposo a 2 de Outubro de 2007 às 12:32
Parece que falta qualquer coisa, que não sei explicar o quê, para que esta tua história tenha o empolgamento de outras que já li. Um beijo.


De António a 2 de Outubro de 2007 às 12:50
Paulinha!
Esta é uma história intencionalmente diferente, por isso é natural que não seja igual às outras.

Beijos


De Paula Raposo a 3 de Outubro de 2007 às 17:54
Em princípio as histórias deverão ser diferentes umas das outras, não é??! Devo ser eu que não me sei explicar.


De António a 3 de Outubro de 2007 às 19:02
Diferente quando observada segundo a temática ou a forma de abordagem.

Beijinhos


De Maria Papoila a 2 de Outubro de 2007 às 17:21
Querido António:
Gostei deste deambular pela cidade do Álvaro Leite no seu trabalho de campo.
Minuciosa descrição da necessidade de conhecer a vida das personagens hipotéticas para as poder descrever com alma.
Beijos


De António a 2 de Outubro de 2007 às 23:15
Querida Papoila!
Obrigado pela tua visita e comentário.
Esta é uma história diferente do habitual e, pessoalmente, acho que me saiu bem.

Beijinhos


De mgdias a 2 de Outubro de 2007 às 19:03
Mais um belo conto! Fantástico!

Um abraço


De António a 2 de Outubro de 2007 às 23:16
Querida Goreti!
Gostei desse "fantástico!"!!!!

Beijinhos


De leonoreta a 2 de Outubro de 2007 às 21:22
ola antonio
já te conheço desde, praticamente, o inicio do meu blog. alias, os nossos blogs diferem um do outro por escassos dias.
já te leio há muito tempo, portanto. e conheço bem a tua escrita, em vários géneros, menos na poesia, rsss
tenho gostado. se assim nao fosse nao faria do teu sitio um sitio de passagem.
contudo, nao obstante, todavia (esqueci-me de algum?) este conto está formidável. neste conto autor não é narrador e na escrita esse é uma das técnicas mais notaveis de quem escreve.
os dialogos em si estão optimos e há uma atençao no heroi, distante e simultaneamente atenta. jogo interessante.
beijinhos da leonoreta


De António a 2 de Outubro de 2007 às 23:21
Minha querida Leonor!
Obrigado pela tua visita e comentário.
Agora só tens de me explicar como é isso de, neste caso, o autor não ser narrador.
É que eu escrevo por intuição e não tenho formação nas técnicas de escrita.
Obrigado!

Beijinhos


De Sutra a 3 de Outubro de 2007 às 21:09
As tuas belas histórias :-)

Voltei de férias

Bj doce


De António a 3 de Outubro de 2007 às 23:22
Olá!
Obrigado pela visita.

Beijinhos


De wind a 3 de Outubro de 2007 às 21:19
Excelente esta tua história.
Foste a todos os "bas fond" que existem tanto de dia como de noite e descreveste-os tal e qual como são.
Parabéns por isso!:)
Beijos


De António a 3 de Outubro de 2007 às 23:32
Querida Isabel!
Obrigado pelo teu comentário.
Como tu és muito franca, eu sei que quando dizes que gostas, gostas mesmo.
Obrigado!

Beijinhos


De sophiamar a 3 de Outubro de 2007 às 22:11
Um excelente conto! Em dois episódios abordas a vida de uma grande cidade. Com as suas graças e desgraças. Estas ultrapassam em muito as outras mas vida é mesmo assim. Miséria de todos os tipos. E tu conseguiste abarcá-la toda ou quase. Distanciaste-te do narrador porque como sabemos tu não cabes em nenhuma das personagens que criaste. Pelo menos por inteiro, embora toda a escrita contenha algo de autobiográfico. Essa cabecinha, engenheiro, vai de vento em popa. Até pareces o Maigret! E eu concordo! Cusquices!

Beijinhosssssssss


De António a 3 de Outubro de 2007 às 23:58
Olá, Isabel!
Obrigado pelo comentário.
Pois fica sabendo que estou a escrever um policial.
Mas só postarei quando estiver concluído e muito bem revisto.
Não quero que tenha nenhuma falha.
Vamos ver o que vai sair...

Beijinhos


De sophiamar a 4 de Outubro de 2007 às 16:35
Ora toma lá! Temos o nosso escritor a regressar em força. Sabes, gostei muito de um conto marotão, o primeiro que li de ti. Havia um patrão, uma secretária, um apartamento.... agora o comissário António, com cachimbo, gabardina e chapéu está de regresso á investigação.
Excelente, amigo António Maigret...perdão Sherlock Dias... António Castilho Dias ...o comissário do NorteAhahahahah

Tou cá uma chata! Eheheheheh


Beijinhosssssss


De António a 4 de Outubro de 2007 às 18:42
Querida Isabel!
Penso que te referes a um conto da série "Diálogos de gente"; creio que foi mesmo o último e o único que era um conto.
E como a secretária não foi para a cama com o patrão fui muito aplaudido pelas senhoras minhas leitoras....ah ah ah.
Como sabes eu costumo meter as mulheres na cama...salvo seja!...ah ah ah
Tony Poirot, se faz favor!
É o meu detective favorito, o Hercule Poirot.
Ou melhor...era!
Porque agora vai aparecer outro...ah ah ah
(e que por acaso também se chama António...por mero acaso, juro!)

Beijinhos, chata
ihihihihih


De sophiamar a 5 de Outubro de 2007 às 14:11
Ora venha lá o TonY Poirot que eu estou desejando encontrá-lo por aí. Olha que eu tenho um fraquinho por inspectores! Vê lá onde te metes e onde me vais meter. António? Olha eu gosto do nome. O meu tio mais velho chama-se António mas sempre foi chamado pelo Tio Tó. Eu sempre o tratei por " Titó". E até estou proibida de o tratar por outro nome.
Quanto ao inspector , o nome está aprovado. Então, Tony Poirot, leva lá beijinhos da chata. Ahahahah
Bom feriado!


De António a 5 de Outubro de 2007 às 18:16
Olá!
Estou a escrever como um possesso para ver se acabo tudo neste fim de semana e começo a publicar no início da próxima.
Mas a revisão vai ser muito trabalhosa.
Qualquer detalhe mal pensado implica uma história deitada ao lixo.
Os policiais são assim!

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter