Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007
O mosquito
O dia tinha sido de canícula.
A noite estava menos quente e, por isso, só regressei ao quarto do hotel barato onde me alojara depois de ter estado numa pequena esplanada, junto ao mar, a apanhar um pouco da aragem que trazia um cheirinho a maresia e uma agradável frescura.
Deixara a janela do 105 aberta para que o aposento também arrefecesse com o ar da noite, pois pudera verificar que o ar condicionado não estava operativo.
E, de facto, parecia já haver as condições de ambiente que me permitiriam deitar sem que a temperatura retardasse a minha entrega a Morfeu.
Fiz a higiene habitual, baixei a persiana deixando umas frinchas abertas e não fechei as vidraças.
Puxei a roupa toda para baixo e deitei-me nu sobre o lençol que cobria o colchão.
Liguei o televisor, passei por meia dúzia de canais e desliguei-o de novo.
- Vou dormir! – disse para comigo.
Estiquei o braço e desliguei a luz que estava colocada por cima da cabeceira da cama.
Pouco depois, estava já a acarinhar o sono, ouvi um ruído que me era familiar: o zumbido de um mosquito.
Não liguei, mas pouco depois o mesmo som passou-me junto ao ouvido de modo a deixar-me mais desperto. Um segundo voo rasante demorou poucos segundos a acontecer.
Depois fez-se o silêncio.
- Vamos lá ver se adormeço agora... – cogitei.
Mas não tardou muito para sentir na coxa esquerda uma incomodativa picada. Lá estava ele ao ataque...
Sacudi a perna e ouvi-o a voar lá mais ao longe.
Todavia, rapidamente o zunir do insecto veio até junto da minha cara. Tocou-me mas abalou de imediato e deixei de o escutar.
Foi efémero o sossego. Logo a seguir ouvi o maldito e senti uma espetadela junto da orelha que estava voltada para cima: ainda a esquerda.
Sacudi o irritante animal com a outra mão.
Não me apercebi de mais nada durante algum tempo e procurei novamente passar para o mundo dos sonhos.
Mas eis que a dor de uma picada se fez sentir no pulso.
Zás!!!!!
Apliquei uma forte palmada com a mão direita no local onde o impertinente bicho voador estava sugando o meu sangue qual vampiro da Transilvânia.
Já começara a sentir um nervoso miudinho por não poder sossegar, por isso tapei-me com um outro lençol deixando só a cabeça de fora.
Felizmente o calor era suportável.
Estava quasi, quasi a adormecer quando um caça-bombardeiro em voo supersónico passou mesmo junto à minha cabeça. E, ainda não refeito, lá veio um novo ataque provocador.
Não!
Não podia ficar só na defensiva.
Tinha de contra atacar com toda a ferocidade que ditava o sangue já a ferver-me nas veias.
Acendi a luz, levantei-me, peguei na travesseira com ambas as mãos e levantei-a acima da cabeça enquanto com os olhos tão abertos quanto possível comecei a observar o tecto e as paredes brancas ou de cor muito clara.
Caminhava semicurvado e pé ante pé para não afugentar o meu enervante inimigo.
Ouvi a sua sonoridade sibilante e procurei localizá-la.
De repente fez-se silêncio e pude ver o caçador de sangue poisado numa parede.
Aproximei-me lentamente e projectei a almofada com toda a força. Deixei-a encostada, segurei-a com a mão sinistra e dei dois murros com a dextra, assim descarregando a raiva acumulada. Depois retirei a travesseira e pude ver, com um sorriso sádico desenhado no meu rosto, sangue na parede e na fronha.
Ganhara!
Voltei para a cama, coloquei a minha arma de ataque no seu lugar, tendo o cuidado de pôr a parte com sangue para baixo, tapei-me com o lençol, apaguei a luz, enrosquei-me na posição fetal e recomecei a embalar o sono.
Estava quasi, quasi a adormecer quando ouvi um zumbido...


publicado por António às 14:34
link do post | comentar | favorito
|

37 comentários:
De amigona a 22 de Novembro de 2007 às 20:45
Eh! Eh! Mas onde é que eu já ouvi isto?!!! Deliciosos António!


De António a 22 de Novembro de 2007 às 20:58
Um picadela para ti, Rosário


De leonoreta a 22 de Novembro de 2007 às 22:01
ola antonio
os mosquitos sao uma sociedade á parte da humanidade. muito mais avançados em estrategia de combate do que o homem.
um texto muito divertido.
beijinhos


De António a 22 de Novembro de 2007 às 22:21
Querida Leonor!
E são perigosos, os mosquitos....

Beijinhos


De sophiamar a 22 de Novembro de 2007 às 22:58
E não é que me fartei de rir! Mas mesmo a bom rir! Imaginei-te um petisco delicioso do mosquito. De alto a baixo. Eheheheheh
Depois , acabaste por esborrachar o mosquito mas ganhaste uma mosquita. Ahahahah

Engraçadíssimo!

Mil beijinhos por teres ficado! O Cusco deixa-me triste!


De António a 22 de Novembro de 2007 às 23:05
Querida Isabel!
Vou ficando, vou escrevendo, vou postando...mas só quando Deus quiser....

Beijinhos


De amigona a 24 de Novembro de 2007 às 07:52
Já se acabaram os mosquitos?Beijos...


De António a 24 de Novembro de 2007 às 10:20
Não, Rosarinho!
Os mosquitos continuam a parecer mas agora no manicómio onde estou internado...não sabes que eu sou louco?
Zàs!!!!!

Beijos


De António a 24 de Novembro de 2007 às 10:21
...a aparecer...


De goreti a 24 de Novembro de 2007 às 08:43
Não podia deixar de ser... um nunca vem só! Esqueceste-te de levar o repelente de insectos como eu faço... umas picadelas assim deixavam-me em lindo estado!
Um belo texto, como é teu apanágio...
Bjs


De António a 24 de Novembro de 2007 às 10:29
Olá, Goreti querida!
Foi por causa disso que escrevi esta curta história comigo como protagonista.
Quando quiser escrever uma história mais longa serás tu a protagonista...
(eu sou muito mau, não sou...ah ah ah)

Beijinhos


De caiê a 24 de Novembro de 2007 às 14:33
já sentia falta de descontrair com as tuas historietas! mas esta picou! ah ah ah!


De António a 24 de Novembro de 2007 às 18:09
Olha a Caiê Cabral da Gama!
Bem aparecida!
Tens aqui uns posts pequenos antes deste para ler.
E agora vou cheirar o teu (blog).

Beijinhos


De Paula Raposo a 25 de Novembro de 2007 às 15:48
Moscas, mosquitos, melgas e quejandos que conseguem tirar do sério qualquer um!!!


De António a 25 de Novembro de 2007 às 18:03
Ou converter em sádicos e sanguinários assassinos!
ah ah ah

Beijinhos


De Isabel Filipe a 25 de Novembro de 2007 às 18:16
muito bom o teu texto...

sou uma vítima de mosquitos e melgas ...

senti bem o que escreveste.

um abraço


De António a 25 de Novembro de 2007 às 21:52
Olá!
Obrigado pela visita e pelo comentário.

Beijo


De Cris a 25 de Novembro de 2007 às 20:37
Já aqui não passava há uns tempicos, Meu Belo Contador de Histórias. Já me regalei toda, já me puseste aqui a rir. Então esta tua façanha, digo-te! Azar, an? É que o Mosquito avampirado não veio só. Deve ter comprado a viagem na net ao preço da uva mijona, e, toca de trazer a famelga toda!
Rsssss!

Bom resto de Domingo, Migão!


De António a 25 de Novembro de 2007 às 21:57
Muito obrigado pela visita e pelo comentário mas não sei quem és...ah ah ah

Beijos


De Cris a 6 de Dezembro de 2007 às 22:48
Sou a Cris, António. Já não sabes quem eu sou? :(((((
Tinha o Palavras de Algodão e depois criei outro blog "Os Meus Encantos".
Deixa lá, beijo e quem sabe talvez te lembres, qqr dia , meu Contador de Histórias preferido da Cris.


De António a 7 de Dezembro de 2007 às 00:04
Claro que me lembro de ti, querida amiga!
E lembro-me perfeitamente dos teus blogs.
Mas cliquei no link "encanto" e não fui levado para nenhum.
Como não havia mais referências e não me comentavas há muito tempo, nem pensei em ti.
Vai aparecendo e conta coisas!

Beijinhos


De lena a 25 de Novembro de 2007 às 21:20
António, meu querido

diverti-me enquanto de lia e xiiii essa pancada soou deste lado

mas estes mosquitos são quase inofensivos, umas picadelas quando se anda sem cuidado e i tal zzzzzzzzzz que incomoda uma noite

nasci noutro continente em que uma picada desses insectos insuportáveis me punham de cama com febre muito alta

sorte tua que foi só zumbido...

vai lavar é a parede


beijinhos para ti

é bom estar e ler-te e escrever-te, o bichinho da blosfera começa a picar-me

o meu abraço de sempre

lena





De António a 25 de Novembro de 2007 às 22:03
Minha querida Lena!
A parede é do hotel, portanto eles que a lavem...ihihih
Obrigado pelo comentário.

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter