Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007
Histórias curtas XXXIV - Ao serviço da Santa Madre Igreja
Reconversão do texto “Diálogos de gente XIII – O padre e a beata” de 19 de Maio de 2006
 
Carmen era uma simpática mulher de trinta e muitos anos, solteira, alta e magra, muito religiosa, que estava na Igreja fazendo as suas orações.
- Ora aqui está uma menina como há poucas! – disse uma voz suave, de homem.
A mulher olhou para trás e viu o padre Jacinto, de sorriso aberto.
- Boa tarde, senhor padre!
- Boa tarde, menina Carmen! É com muito gosto que venho apreciando a sua grande devoção. Estou nesta igreja há muito pouco tempo mas não podia deixar de reparar que vem cá todos os dias depois do almoço.
- Mas como é que o senhor padre sabe o meu nome? – perguntou a solteirona.
- Ora! Ora! Tenho obrigação de conhecer os paroquianos mais assíduos – esclareceu o novo pároco.
Era um homem dos seus cinquenta anos, cabelos todos brancos e tendo uma figura interessante. Pelo menos era considerado como tal por muitas das mulheres que frequentavam aquele templo católico.
Olhou para toda a nave e viu que só lá estava mais uma velhinha que também fazia as suas orações diariamente, àquela hora.
- Quando acabar, gostava de falar consigo, menina Carmen. Pode ir ter comigo à sala junto da sacristia? – pediu o sacerdote.
- Com todo o gosto, senhor padre – anuiu a crente que, ao mesmo tempo, teve uma estranha sensação ao longo da coluna. Aquele padre Jacinto deixava-a um pouco fora de si.
- Então até já! – despediu-se o clérigo que se deslocou com o seu fato preto para a porta de acesso à sacristia.
A mulher seguiu-o com o olhar, observadora e intrigada.
Passados pouco minutos levantou-se e dirigiu-se para a mesma porta.
Abriu-a e viu, sentado a ler uma revista religiosa, o padre.
- Posso entrar?
- Com certeza, menina Carmen! – disse o homem – Vamos então sentar-nos nesta mesinha e conversar sobre o assunto que me levou a chamá-la aqui.
A mulher sorriu e sentou-se em frente do reverendo Jacinto que a olhou com um sorriso um tanto concupiscente.
- Eu sei que é solteira e vive só. Que não tem familiares próximos e não tem namorado. Sabe porque sei isto, não sabe? Porque mo disse em confissão. Claro que eu não o vou revelar a mais ninguém – começou o padre.
A mulher corou, fez um sorriso de ingénua, mas nada disse. E ele continuou:
- Penso que tem disponibilidade para dedicar mais algum tempo às obras da Igreja. Como sabe, a D. Inocência, que organizava as viagens para os paroquianos juntamente comigo, foi a enterrar há dois dias. Deus tenha em paz a sua alma – disse, enquanto levantava os olhos para o tecto e se benzia.
- Era muito boa senhora! – interveio a beata.
- Pois eu gostava de a convidar para substituir a defunta senhora. – sugeriu o homem – Que me diz?
A mulher ficou com o rosto parado durante uns segundos mas pouco depois fez um belo sorriso e disse:
- Sinto-me muito honrada pelo seu convite. E, em princípio, aceito. Mas gostava que me desse um tempinho para reflectir e responder-lhe definitivamente.
- Com certeza! Se quiser, amanhã eu passo por sua casa para saber a resposta. Ou prefere dar-ma aqui na Igreja? Eu digo isto porque tenho alguma urgência. Gostaria de recomeçar o mais depressa possível a tratar do próximo passeio mensal que terá lugar no fim-de-semana depois deste. As acções necessárias foram interrompidas pela curta doença e passamento da D. Inocência.
A mulher pensou um pouco e respondeu:
- Está bem! Pode passar lá por casa. Mas então prefiro que seja à noite. Sempre é mais escuro e não gosto que as más-línguas comecem a falar. Só não percebo como sabe onde eu moro!
- Pois claro! Só me propus ir a sua casa porque sei que vive num andar e, portanto, não a vou comprometer, seguramente. Senão, nem pensar em lá ir! Quanto ao saber onde mora...nunca ouviu falar no Espírito Santo de orelha?
A mulher riu-se e retorquiu:
- Então, se aparecer hoje por voltas dos oito da noite, até pode jantar comigo.
O padre simulou uma cara de espanto como se não contasse com tamanha disponibilidade para servir tão devotadamente os desígnios divinos, mas o seu antecessor tinha-lhe passado o serviço a preceito. Levantou-se e disse com um sorriso rasgado:
- Lá estarei! Eu acompanho-a à porta. E espero que logo ao jantar já possamos conversar sobre a sua actividade.
Ela levantou-se também, começou a caminhar em direcção à saída e rematou:
- Em princípio, eu estou pronta a fazer tudo para agradar a Deus e à Santa Madre Igreja.
E não lhe faltava tempo. Além de viver só, herdara de um tio que não deixara descendência directa uns terrenos que vendera e ainda uma boa maquia em dinheiro. Comprara o seu apartamento perto da Igreja, deixara o seu emprego de costureira que laborava para uma modista com boas clientes e passou a fazer alguns trabalhos em casa para meia dúzia de senhoras abastadas que seleccionara dentre as que utilizavam os serviços da antiga patroa. Isso e os rendimentos que lhe davam os Certificados de Aforro que fizera permitiam-lhe encarar o presente e o futuro sem medo.
 
Às oito em ponto o reverendo Jacinto estava a tocar à campaínha da porta do apartamento pois a anfitriã já tinha vindo cá abaixo para deixar a porta da rua só encostada.
- Faça o favor de entrar, senhor padre – disse ela, mal franqueou a entrada.
- Muito obrigado! – respondeu o pároco enquanto se introduzia na habitação da interessante mulher.
Esta fez menção de lhe beijar a mão mas ele não o permitiu.
- Não estamos em nenhum acto oficial, Carmen...se me permite que a trate assim – ripostou ele.
- Com certeza!
- E também me pode tratar só por Jacinto. Os títulos e as etiquetas ficam para ocasiões mais formais.
- Não sei se deva...
- Claro que sim! Digamos que é essa a vontade divina – falou, com um sorriso malicioso, o homem.
- Então sente-se à sua vontade, Jacinto! Isto é um andar pequeno e modesto. Tem ali várias bebidas e copos: pode servir-se à vontade enquanto eu vou acabar o frango de cabidela – disse ela.
- Frango de cabidela? Até parece que adivinhou! Acho-o um prato delicioso.
- Ainda bem! Fui certamente inspirada pelos céus...
- Ou então é um anjo que anda na terra – adiantou-se o sacerdote.
- Não! Não sou anjo nem sou anjinha! Mas gosto de servir a Igreja e as pessoas que fazem parte dela – e foi para a cozinha.
O padre ía servir-se de um vermute mas lembrou-se que lhe faltava qualquer coisa e dirigiu-se para o compartimento onde a solteirona confeccionava o petisco.
- Carmen! Posso?
- Sim! Precisa de alguma coisa?
- Se não fosse muito incómodo, poderia dar-me duas pedrinhas de gelo e uma casquinha de limão? – pediu o reverendo enquanto apreciava o ainda elegante corpo da paroquiana.
- É para já!
E logo entregou ao homem o que este tinha pedido.
- Muito obrigado, Carmen! – e retirou-se para a sala onde preparou a bebida a seu gosto.
Mas pouco depois regressou à cozinha.
- Desculpe! Mas este cheirinho é delicioso...
- O Jacinto gosta do cheiro de frango, já percebi! – disse a mulher cada vez mais desinibida.
- Do cheiro e de o comer! – respondeu o padre no mesmo comprimento de onda – Posso cheirar a panela?
- Claro! Chegue-se para aqui. Até está mais quentinho. O Jacinto gosta das coisas quentes, não gosta?
- Adoro! Adoro! – ripostou o homem, ele sim, já bastante quente.
E mais quente ficou quando se chegou ao fogão e sentiu a mulher a encostar os seios ao seu corpo.
- Que maravilha! – disse, não retendo um suspiro.
Mas a Carmen era totalmente dada ao serviço da Igreja.
Tirou o copo de Martini das mãos do pároco, bebeu um trago, pousou-o e agarrou-se ao homem beijando-o sofregamente.
O clérigo já tinha sido informado pelo padre Jorge, a quem sucedera, que a mulher fora sua amante durante vários anos e que tinha grande fogosidade, além de outros pormenores úteis. Mas mesmo assim não deixou de ficar surpreendido.
E mais ainda quando ela lhe tocou no membro e disse:
- Tem de aliviar a sua tensão antes do jantar. Venha comigo!
E, positivamente, puxou-o até ao quarto onde o atirou para cima da cama e foi-o despindo com uma sabedoria que deixou o homem a pensar que afinal já tinha alcançado o paraíso.
Depois, desnudou-se ela e colocou-se em posição para ser penetrada.
- Vamos lá, Jacinto! Agora é uma rapidinha para não queimar o frango. Mais logo vai ver como eu também consigo fazer milagres...mas tudo para servir a Santa Madre Igreja.
E soltou uma gargalhada...


publicado por António às 12:50
link do post | comentar | favorito
|

26 comentários:
De boneca a 11 de Dezembro de 2007 às 20:17
Diz que até não é um mau blog, para este blog.

http://enfermagememmovimento.blogs.sapo.pt/

abraço


De António a 11 de Dezembro de 2007 às 23:13
Já lá respondi.


De sophiamar a 11 de Dezembro de 2007 às 21:11
Ai, meu Deus, tu já tinhas avisado que irias escrever quando Deus quisesse. Foi Deus quem te contou este pecado do senhor padre Jacinto e da Carmencita? Afinal entraste numa linha de contos que nos deixa a rir e a pensar. Acho bem! E se eles gostavam desta confraternização íntima que Deus os absolva.
Beijinhossssssss


De António a 11 de Dezembro de 2007 às 22:24
Amén!


De Paula Raposo a 13 de Dezembro de 2007 às 10:02
Excelente!! E tudo por conta da Santa Madre Igreja! Amen...beijos.


De António a 13 de Dezembro de 2007 às 12:57
Com uma paroquiana destas quem ía para padre era eu!
ah ah ah

Beijinhos


De wind a 13 de Dezembro de 2007 às 18:41
Quem soltou uma gargalhada fui eu ao ler esta história de beatas sa santa madre igreja, que tu tão bem contas:))))
Beijos


De António a 13 de Dezembro de 2007 às 18:44
Querida Isabel!
Não te devias rir das devotas como a Carmen que se entregam de corpo e alma à Igreja (e não só...).
ihihihih

Beijinhos


De Brito Ribeiro a 15 de Dezembro de 2007 às 14:36
Aquele Jacinto...
Depois não digas que eu é que tenho a mania de meter os padres e os bispos em embrulhadas!!!

Abraço


De António a 15 de Dezembro de 2007 às 18:47
Qual embrulhada?
Desembrulhada, isso sim!
ihihihih

Abraço


De apps a 15 de Dezembro de 2007 às 17:36
Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!...I beg your pardon!!!

xxx *ap


De António a 15 de Dezembro de 2007 às 18:49
Não sabes o que é uma camisa de forças?
Queres que te mande uma?
ihihihih

Beijos apertados


De apps a 15 de Dezembro de 2007 às 19:36
a avó Bela dizia que eu era levada da breca... digo-te o mesmo: Tone, és levado da breca!!!

beijo apertado *ap


De António a 15 de Dezembro de 2007 às 23:13
Ó prima!
Então eu é que sou levado da breca?
E o padre Jorge?
E o padre Jacinto?
Pobre de mim, louco incurável!!!!
ihihihih

Beijos apertados


De leonoreta a 15 de Dezembro de 2007 às 20:11
ola antonio
o texto ou a historia como tu preferires é uma indecencia de uma ponta á outra.
aqui nao ha subentendidos. ha os entendidos logo de facto. choca, pois claro.
uma indecencia da mais atrevida.
queria ver o que se aproveitava deste texto no tempo do salazar.
beijinhos


De António a 15 de Dezembro de 2007 às 23:18
És tão púdica, Leonor!
ah ah ah
(tenho na cabeça escrever uma história de duas putas que partilham um apartamento para receber clientes e vão contando uma à outra o que se passou nos quartos, mas ainda não tive coragem porque não posso deixar de usar linguagem vernácula muito dura...depois verás o que é Hardcore...ah ah ah)

Beijinhos


De leonoreta a 16 de Dezembro de 2007 às 16:20
por amor de deus!!!
tem pena de alguns leitores assiudos.
beijinhos


De António a 16 de Dezembro de 2007 às 18:09
Mas eu tenho leitores?
Tenho aqui alguns (poucos) amigos.
Leitores já não devo ter...

Beijinhos


De andorinha negra a 16 de Dezembro de 2007 às 11:10
Razão tem a Leonoretta! No tempo do Salazar faziam de ti picadinho! Que falta de respeito para com os senhores padres! Então e eles lá fazem coisas dessas?! Mas olha que gostei! Ele aproveitou as informações que o outro lhe tinha dado e juntou o útil ao agradável! Com os milagres que a Carmen sabe fazer, ainda ele a põe no altar! Com o frio que está, há que aqucer a alma!

Beijinhos!



De António a 16 de Dezembro de 2007 às 12:52
Minha querida!
Já passou o tempo do Salazar!
O Eça não foi muito mais meigo n' "O crime do padre Amaro"...e até acabou com a morte da Amélia.
Eu acabo com os dois consoladinhos...graças a Deus!
ihihihihih

Beijos


De a sua vizinha a 16 de Dezembro de 2007 às 13:13
"Eça" agora é que foi boa, ó vizinho! Chegue-lhe quela tem a mania de dar palpites! Estou plenamente de acordo: no aproveitar é que está o ganho! Atão a fulana estava ali toda oferecida e o padre fazia de conta que não via?! Abençoado!
Não tenho escrio nada, nem sei o que fazer. A minha casa ficou vazia e eu fiquei a falar para o boneco.

A Diólinda deseja-lhe um feliz Natal. Não abuse com os doces proque depois perde a inlugância!

Beijos!


De António a 16 de Dezembro de 2007 às 14:48
Olá, vizinha!
Explique-me uma coisa: que casa é que ficou vazia?
A sua ou a da Leonor?
A sua não deve ter sido porque tem lá o seu home...penso eu de que...

Beijinhos


De caiê a 16 de Dezembro de 2007 às 13:33
que historiazinha tão natalícia!!! mesmo a calhar para leres lá na tua paróquia!


De António a 16 de Dezembro de 2007 às 14:33
Bem regressada, ó C.!
Eu não tenho paróquia: nem sou pároco nem paroquiano.

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter