Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Sábado, 17 de Março de 2007
Histórias curtas XIV - Falta de água
Adolfo Dias era um jovem de 22 anos, de bela figura, filho único, que vivia com os pais num apartamento duma zona suburbana com grande população.
Estudava Economia mas naquela manhã não tinha aulas e ficara em casa enquanto o Manuel Dias e a Irene estavam no trabalho.
Habitualmente saíam cedo e regressavam tarde. Gostariam de ter tido mais um filho, pelo menos, mas o tipo de vida que levavam não permitia muitas condições para a concretização. Ou por isto ou por aquilo, seguiram a tendência, cada vez mais comum, de se ficarem por um só descendente.
O jovem levantou-se cedo pois queria aproveitar a manhã para estudar umas matérias que ainda nem sequer lera.
Antes, foi tomar um duche e depois iria comer uma ou duas sandes feitas por ele com o pão que uma mulher deixava junto à porta, bem cedo, e beber um grande copo de leite, sem açúcar.
Estava completamente ensaboado quando...faltou a água!
- Que merda! – vociferou.
Enquanto pensava como resolver o problema, ouviu tocar a campaínha.
Com o toalhão limpou-se como pôde. Vestiu um roupão e foi à entrada:
- Quem é? – perguntou.
- Sou a Sandra.
- Quem?
- A Sandra. A nova empregada.
A mulher começara a trabalhar no dia anterior e ele ainda não a conhecia.
Abriu a porta e apareceu-lhe uma mulher ainda nova, com um óptimo aspecto.
- Bom dia! – disse o rapaz.
E prosseguiu:
- Faça favor de entrar. Eu estava no banho mas faltou a água – procurou justificar o seu aspecto.
- Bom dia, menino! Com licença! – e a nova contratada entrou.
O Adolfo pôde então apreciar uma mulher de pouco mais de trinta anos, com um corpo curvilíneo, seio bem torneado e rosto sensual, vestida com pouca roupa como justificava o calor daquela primavera quente.
- Não há água? Sabe se vai demorar muito a voltar? – quis saber a vistosa morena.
- Sei que faltou agora mesmo e apanhou-me todo ensaboado. Limpei-me com um toalhão para vir aqui mas sinto o corpo cheio de sabão. Ahh...não faço ideia se demora muito ou pouco! – falou o Adolfo.
- É chato! – disse ela, olhando o charmoso rapaz.
- Acho que vou telefonar para os SMAS para saber informações – disse ele.
- Seria bom, menino...como se chama?
- Adolfo! Mas não gosto muito que me tratem por menino – replicou o estudante.
- Então chamo por senhor Adolfo? – ironizou a nova aquisição do casal Dias.
- Senhor? Também não gosto muito, sinceramente – confessou ele.
- Então?
- Então? Sei lá! Olhe! Trate-me como quiser.
- Então o melhor é mesmo menino. Eu sei que já não é menino nenhum, mas é o mais habitual – decidiu a Sandra.
- Pronto! Seja! Agora vou telefonar para os SMAS. – e avançou para o local do telefone fixo – Sabe o que tem a fazer, não sabe?
- Se não há água, vou começar por tratar da sala – esclareceu ela, enquanto caminhava para a zona da lavandaria a fim de pousar as suas coisas e preparar-se para o trabalho.
Pouco depois apareceu o moço:
- Oh Sandra! Foi Sandra que disse que se chamava, não foi?
- Exactamente, menino.
- Pois as notícias não são muito boas. Parece que houve uma ruptura numa conduta e vai demorar algumas horas até a água voltar – explicou o mancebo.
- Sendo assim, hoje não posso lavar nada – lastimou-se a empregada.
- E eu estou assim! Que chatice!
- Menino Adolfo! Tem aqui uns garrafões de água para beber. Acho que hoje, excepcionalmente, poderíamos dar-lhes uma aplicação diferente da habitual – sugeriu a funcionária de limpeza doméstica.
- E quantos garrafões há? – perguntou ele.
- Três!
- Acho que há mais lá em baixo, na arrecadação. Mas eu penso que já conseguia tirar todo o sabão com um.
- Sozinho não é muito fácil fazê-lo! Quer que o ajude? Vou-lhe deitando água aos poucos nos sítios em que mais precisar e assim a sua limpeza fica perfeita e com pouco líquido gasto – sugeriu a descontraída Sandra.
O Adolfo ficou um pouco estonteado, mas logo recuperou a lucidez e disse, já se sentindo excitado:
- Boa ideia! E não tem problemas em me fazer esse serviço?
- Eu sou bastante desinibida e pode ter a certeza que não será a primeira vez que vejo um homem nu – disse ela, num tom claramente provocatório.
- Sim! Acredito em si! – falou o jovem, com o coração a bater forte de pensar no que aquilo poderia resultar.
- Vamos então ao trabalho! – e pegou num garrafão, a mulher.
Foram para o quarto de banho, o rapaz meteu-se na banheira, em pé, tirou o roupão e atirou-o para longe. O pénis estava totalmente erecto e entumescido.
A mulher, então, para surpresa do estudante que já nem pensava em estudar, ajoelhou-se e começou a passar a língua pelo órgão do rapaz.
Mas fez uma careta e cuspiu:
- Safa! É a primeira vez que uma coisa destas me sabe a sabão – e riu-se.
Abriu o garrafão, lavou o falo e depois, calmamente, foi levando o Afonso ao êxtase.
Este imitia uns sons mais ou menos habituais nestas circunstâncias mas nada disse.
- Agora vamos limpar esse corpinho todo, ok? – continuou ela a comandar as operações.
E pouco depois o jovem estava sendo enxugado com todo o carinho pela desconcertante Sandra.
Terminado este trabalho, disse a mulher:
- Agora quero ver se o menino é capaz de me compensar.
O Adolfo nunca vira uma mulher tão descarada e fogosa. Ainda não se sentia em condições para satisfazer a Sandra mas respondeu, ousado:
- Vamos lá!
E dirigiram-se para o quarto dele onde ela se despiu completamente deixando-o a sentir que, afinal, o bicho morto poderia ressuscitar.
E não foi nada difícil!
A talentosa fêmea rapidamente deixou o jovem preparado para a batalha que decorreu furiosa sobre os lençóis da cama.
Estiveram mais de meia hora numa luta corpo a corpo até que, com um ai bem suspirado, o Adolfo se esvaiu enquanto ela gritava de prazer.
- Muito bem, menino Adolfo! – disse a jovem mulher após uns minutos de repouso – Temos homem!
O estudante não pôde deixar de se sentir lisonjeado e sorriu, triunfante.
Foi então que a Sandra, assumindo um ar muito sério, falou:
- Ahh...menino Adolfo! Devia ter usado preservativo!
O rapaz estranhou a exclamação da mulher e, logo de seguida, disse:
- Não me diga que não usa nenhum método anticonceptivo!
- O problema não é esse! – disse a empregada com o mesmo ar sério.
- Então?
- É que eu sou seropositiva!
O rapaz deu um salto e gritou:
- Porra! E não disse nada! Estou fodido! E se me contagiou?
- Mas o menino não sabe que se deve usar preservativo quando se tem relações com pessoas que não são conhecidas? – e ela continuou com um ar muito sério.
- Não me lixe! Você é que deveria ter dito alguma coisa. Raios partam isto! – e o pobre moço estava já em pé caminhando de um lado para o outro do quarto.
- Tenha calma, menino Adolfo, tenha calma! Estou a brincar consigo. Não tenho nada o HIV e estou bem protegida contra qualquer gravidez – disse a mulher enquanto se levanta e se agarrava a ele.
- A sério? – e olhou para a mulher com aquele ar de criança a quem acabaram de dar uma prenda.
- Claro! Desculpe, mas eu gosto de pregar umas partidas.
E continuou, a Sandra:
- Quanto ao que se passou aqui não vai dizer nada a ninguém, pois não? Sobretudo aos amiguinhos!
- Não! Não! Esteja descansada.
- Então vamos poder repetir a brincadeira, está bem?
- Agora não! – disse ele, já inquieto – Agora tenho de recuperar do susto.
- Hoje não! Eu tenho de fazer o meu trabalho. Mas há outros dias em que vai ficar aqui sozinho, não é?
- Sim! Claro! Terei muito prazer!
- Que tem prazer já eu reparei – e soltou uma sonora gargalhada, a Sandra, enquanto se afastava depois de ter dado um piparote no agora flácido órgão do rapaz.


publicado por António às 15:31
link do post | comentar | favorito
|

28 comentários:
De leonoretta a 17 de Março de 2007 às 17:38
oh!!!!
vinha acrescentar mais um ponto á historia anterior que me tinha falhado e vejo mais uma nova. a leitura que se tornou imediata depressa me fez o proposito a que tinha ca vindo.
mais uma histotia muito imaginativa.
contuso, nao obstante, todavia, ainda assim creio que seria dispensável a cacofonia que abre o texto, rsss
abraço da leonoreta


De nena a 17 de Março de 2007 às 21:21
hi.hi..no fim da festa levar com a casa em cima; quem é que não ficaria com o órgão flácido carago!..se eu tivesse1, acho que tão cedo não se endireitava; teria que esperar uns mesitos e se o teste fosse negativo, fazia-lhe 1 espera imensamente desgostoso..."sinto mto, seropositivo sou eu;.."..e até punha 1 lágrima no canto do olho, só pra dar mais ênfase á cena..e julgas que lhe dizia que estava a brincar também?..ela que fosse brincar pró....(tal ógão flácido..
he.he..és tão engraçado António; bjinho e boas histórias, sempre. smak!


De nena a 17 de Março de 2007 às 21:25
e deste-me 1 ideia; amanhã fecho a torneira aqui do vizinho do3º andar e ponho-me á espera..pode ser que tenha sorte..he.he.he.. ganda maluca!..já sei!


De António a 17 de Março de 2007 às 23:02
Minha querida amiga!
Obrigado pelo comentário.
Completamente maluca, diria eu.
ah ah ah

Beijinhos


De ana joana a 17 de Março de 2007 às 22:03
Olá António,

A seropositividade é uma realidade. Não se vê mas está muito para além dos numeros que são divulgados. O uso do preservativo é mesmo a forma mais eficaz de prevenir a sua transmissão (para além da abstinencia, claro) por via sexual, o mais frequente modo de transmissão.

Consciencializar as pessoas para o uso do preservativo devia ser uma prioridade tanto nas escolas como nos centros de saúde, como nos meios de comunicação. Infelizmente as campanhas parece terem desaparecido. O virus, esse continua a ser transmitido. Muito.

Esta problemática com que lido diáriamente é-me muito cara. Por isso, neste conto, saliento essencialmente esse aspecto que muito me agrada tenha sido referido. Na realidade a Sandra disse que estava a brincar, mas.... será que estava mesmo???

A este Adolfo e a todos os Adolfos, maneis, franciscos bem como as sandras, as marias as balbinas, independentemente da idade que tiverem, USEM O PRESERVATIVO sempre que tiverem companheiros furtuitos e até que saibam que o outro não está contaminado.

Beijinhos
Ana Joana



De António a 17 de Março de 2007 às 22:58
Querida Ana Joana:
Obrigado pelo teu comentário.
Agora deixa-me fazer-te uma pergunta:
Recebes comissões da Durex ou da Control?
ah ah ah

Beijinhos


De ana joana a 18 de Março de 2007 às 00:21
Não recebo comissões mas estou disponivel para receber todos os preservativos, de todas as marcas que me quiserem fazer o favor de oferecer. Só tem uma condição: NÃO TEREM SIDO USADOS! ehehh

E já agora, só para te sossegar, digo-te desde já que não são para meu uso mas sim para distribuir.

Beijinhos


De António a 18 de Março de 2007 às 00:57
Também aceitas daqueles com sabores?
ihihihihihhihi


De Morgaine a 18 de Março de 2007 às 11:38
aiiiii balhamasssaaaantaaaaaaaaaaaaaa António, à,medida que ia lendo a minha pulsação acelerava à espera de ver um final negro e quando o raio da mulher disse que era HIV positiva dei um salto na cadeira.. ó páaaaaaaaaaaaa homem tu sabes mexer com a gente carambaaaaaa! Olha que a dizer a verdade, dás aqui uma boa lição à malta e o tu texto devia ser lido e enfiado na cabeça de muitos jovenzinhosn que têm a mania qu só acontece aos outros.. depois vao fazer o teste e dizem que nãosabem como aconteceu.. ai não sabem??!!

beijos, adorei como sempre né.. isso já sabes ;)


De Paula Raposo a 18 de Março de 2007 às 15:36
Ah ah ah isto são as minhas gargalhadas que deves estar a ouvir aí!! Fartei-me de rir com esta tua história!! Está simplesmente deliciosa!! Beijinhos.


De António a 18 de Março de 2007 às 18:36
Querida Paula!
Obrigado pelo comentário.
Gostei que tivesses gostado e rido.

Beijinhos


De lumife a 18 de Março de 2007 às 16:59
II ENCONTRO DE BLOGS EM ALVITO


AOS 21 DE ABRIL DE 2007


ESTAMOS ELABORANDO O PROGRAMA:

-COMUNICAÇÕES S/ BLOGS

-MOMENTOS DE POESIA

-CANTARES ALENTEJANOS

-VISITA AO PATRIMÓNIO CONCELHIO


MARQUE JÁ NA SUA AGENDA!


MAIS NOTÍCIAS MUITO EM BREVE.


De rosa silvestre a 18 de Março de 2007 às 17:31
Olá António, mais uma história erótica?
Fartei-me de rir com a desavergonhice da donzela e com a ingenuidade do mancebo!?hehehe.
Para retribuir vai aí o endereço de um vídeo muito comico:http://www.youtube.com/watch?v=JffmWtjxVq8
Um beijinho e obrigado pela visita á minha casinha!
A 2ª parte está quase pronta mas faltam uns acertos!


De wind a 18 de Março de 2007 às 21:51
Excelente histótia cheia de humor negro:)
Boa chamada de atenção para o uso do preservativo:)
beijos


De Maria Papoila a 18 de Março de 2007 às 23:23
Olá António:
Mais uma história divertida e com uma Sandra cheia de humor. Gostei que tocasses no assunto preservativo até porque a Sandra é demasiado desinibida. Tal como a Ana Joana pergunto será que não é mesmo seropositiva? É bom não esquecer que para além da SIDA, há a sifilis e a blenorragia e outras doenças sexualmente transmissíveis que se evitam com o uso de preservativo... Principalmente num primeiro encontro com quem não se conhece...
Beijos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter