Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Domingo, 13 de Janeiro de 2008
Histórias curtas XXXVI - Ciúme
Reconversão do texto “Diálogos de gente II – O ciumento” de 18 de Março de 2006
 
Domingos entrou em casa e foi ao quarto cumprimentar a sua mulher Manuela que, tendo chegado uns minutos antes, ainda estava a vestir roupa mais confortável para as lides domésticas.
- Olá, querida! – disse ele.
- Olá, Mingos! Correu tudo bem? – retorquiu a consorte.
- Sim! Tudo dentro do normal. Vou arrumar a pasta e depois venho arranjar-me.
Antes, ainda viu o correio postal e ligou o personal computer.
Quando voltava para o quarto cruzou-se com a Manuela que já vinha com um pijama de meia estação vestido.
Algum tempo após sentaram-se à mesa para jantar.
- Hoje saíste com um vestido muito ousado – fez notar o homem.
- Eu? Achas que aquele vestido com um ligeiro decote, de cor azul-marinho, saia pelo joelho e, nisso talvez tenhas razão, um pouco apertado porque engordei qualquer coisa, é provocante? Não tem mangas mas eu uso um blaser – disse a mulher.
- Pois! Não tem mangas, é curto e está muito justo – insistiu ele – e quando te sentas ou levantas expões-te muito.
- Mas sei sentar-me e levantar-me; não faço figuras tristes – ripostou a mulher.
- Gostava que não o usasses mais – alvitrou o homem.
- Ó Mingos! Não comeces com a mania de que todos os homens me cobiçam. E se o fizessem era uma razão de orgulho para mim. Posso mandar alargar um pouco o vestido e ele fica impecável – sugeriu ela.
- Não sei! Já sabes que eu gosto que andes recatada. Lá no teu escritório há muitos homens e eu já vi como alguns olham para ti – teimou o Domingos.
- Sim? Olha que bom! É sinal de que ainda estou apetitosa. Também com 27 anos e sem filhos...
- Não tenhas essas atitudes de leviana, Manela! Sabes bem como gosto de ti e me custa ver-te a ser olhada por outros homens – disse o marido.
- Olha, meu querido! Namoramos três anos e somos casados há dois. Quando isso aconteceu eu já sabia que eras ciumento. Na altura, achei que seria uma prova de amor e fidelidade e até gostava. Mas agora fazes-me sufocar! Não penses que vou passar a vida a usar véu ou mesmo “burka” como as desgraçadas de algumas árabes. Sabes que te sou fiel, mas tenho a minha individualidade própria e não quero que ela deixe de se desenvolver só porque tu não queres isto e não queres aquilo – discursou a Manuela.
- Eu sei que às vezes sou um bocado chatinho. Mas gosto tanto de ti que só a ideia de te perder me deixa maluco – chorou-se o Domingos.
- Pois olha que se insistes nessas atitudes é que acabas por me perder – disse ela, ameaçadora.
- Nem digas uma coisa dessas, mulher! Era a minha desgraça! Tu nunca me deixes! – suplicou o homem.
- Não deixo mas tens de me soltar para viver e respirar – falou a mulher.
E continuou:
- E na sexta-feira já vou fazer um teste à tua capacidade de me deixares viver. Vou ao jantar de aniversário da empresa que é só para colaboradores. Tu não podes ir. E depois do jantar parece que vamos a um bar passar um bocado da noite. Espero que não ponhas objecções, o que não adiantava nada, diga-se, nem me censures se chegar mais tarde. Eu ligo-te pelo telemóvel e dou-te conta de como as coisas estão a correr. E tu ficas em casa ou vais sair...fazes como quiseres. Só não admito que me apareças no restaurante como no ano passado, para me trazeres para casa. Acabei sendo gozada pelas colegas que acharam que tu devias ser um tipo do século XIX – desabafou a mulher.
- Essas tuas colegas são muito levantadas e atiradiças. Não me agrada que andes com elas – manifestou-se o Mingos.
- E eu também não gosto que andes com aquele Simões que tem tiques de maricas que até faz aflição – respondeu ela.
- Não desvies a conversa! – disse ele – O que está em discussão és tu e as desavergonhadas das tuas amigas.
- Desavergonhadas? Ó pá! Tem juízo! Deixa-me que te diga que cada vez me parece mais que tens de ir a um psiquiatra tratar esse sentimento de posse que tens em relação a mim. Porque se não o fizeres, o casamento acaba mal!... – ameaçou a Manuela.
- Tu nem penses em abandonar-me, Manela! Nem penses! – e foi a vez dele elevar o tom de voz.
- Que é que tu fazes? Matas-me, é? Matas-me? – provocou a mulher – Olha que eu tenho um medo!... Já me deixaste mal disposta. Com licença!
E levantou-se da mesa da cozinha onde costumavam jantar, foi para a sala, ligou o televisor, acendeu um cigarro, estirou-se no sofá e disse, baixinho:
- Quem me havia de sair na rifa!
 
Chegou a noite do jantar comemorativo do décimo aniversário da empresa onde trabalhava a Manuela Sampaio.
Era uma mulher com formas muito bem delineada na face e no corpo.
Nesse fim de tarde foi ao cabeleireiro que lhe penteou os cabelos de um lindo castanho claro e que lhe desciam um pouco abaixo do pescoço, com mestria e bom gosto.
Em casa, e porque a noite se previa fria, vestiu umas calças pretas e largas, uma camisola de gola alta de lã branca e canelada e um blaser também preto que lhe assentava maravilhosamente. O conjunto era complementado com uns sapatos pretos de salto alto e um colar de ouro que lhe emprestara a mãe, uns brincos vistosos, anéis variados e uma maquilhagem discretamente eficaz.
Em suma: estava uma “brasa”.
Quando o Domingos Pacheco chegou a casa e viu a mulher tão gostosa não resistiu e disse:
- Tu devias arranjar-te assim quando sais comigo e não quando vais a uma festa sem mim.
- E eu quando saio contigo vou vestida de maltrapilha? – replicou a Manela – Estou de saída! E não me apareças, hoje! A noite é minha!
Beijou o marido e saiu deixando-o especado. De repente este foi à janela a tempo de ver a sua mulher a entrar para um carro.
- De quem será aquele carro? – interrogou-se.
Não fez jantar.
Comeu uma sande, bebeu uma cerveja, comeu fruta e uma fatia de bolo que estava no frigorífico, arrumou o pouco que havia para arrumar e foi postar-se no seu sofá preferido a ver televisão.
Mas o pensamento não deixava de voar da TV para o restaurante e deste para o écran.
Pouco passava das nove e meia quando resolveu sair.
Foi à garagem, meteu-se no carro e rumou ao “Canto das sereias”, o
restaurante onde decorria o repasto comemorativo.
Após ter chegado estacionou em frente do estabelecimento de restauração mas num local mal iluminado.
Lá dentro, entre os vinte e tal comensais, quasi todos jovens, a animação era grande. Poucos tinham levado carro. Alguns preferiram ir de táxi para poderem beber sem medo de depois terem de soprar ao balão do teste de alcoolemia.
A Teresa, que dera boleia à Manela e não bebia álcool, levantou-se dizendo:
- Vou ali ao carro buscar o telemóvel e venho já.
Por feliz ou infeliz coincidência, o Domingos tinha estacionado mesmo ao lado da colega da mulher. Como era um Toyota comprado poucos dias antes, o homem ainda não o conhecia.
Mas a Teresa reconheceu o carro do ciumento marido da amiga.
Decidiu voltar para dentro sem nada dizer mas, de repente, dirigiu-se para o Focus, bateu no vidro do atrapalhado Mingos e, após este ter aberto a janela, disse:
- Ó pá! Vai para casa que daqui ainda vamos a um bar e a tua mulher vai comigo.
- Eu posso estar aqui, não posso? – ripostou o homem – Então desanda porque não tens nada com isso.
- Tem juízo, pá! Vai-te tratar! – e a mulher dirigiu-se de novo para a mesa onde a boa disposição reinava.
O Melo é que não estava muito bem do estômago, mas umas pastilhas ajudavam a que aguentasse a pedalada dos outros.
Entretanto, a Teresa foi segredando qualquer coisa ao ouvido de todos os colegas, com excepção da Manuela.
Terminada esta parte da festança, prepararam-se para abalar até ao “Bono”, um bar com karaoke que não ficava muito longe.
Mas, surpresa das surpresas, vários dos homens dirigiram-se com facas em riste para o carro do atónito Domingos.
E foi vê-los, enquanto riam a bom rir e diziam umas piadas ao marido ciumento, a rasgar os quatro pneus do Focus.
A Manela assistiu à cena, também ela admiradíssima, mas acabou por se rir à gargalhada, aproximar-se do Ford e dizer para o homem:
- Eu não sabia que te íam fazer isto. Até acho que foi muito bem feito. Mas se não aprenderes desta vez prepara-te que vou falar com um advogado para pedir o divórcio.
O ciumento compulsivo, se já estava furioso, pior ficou. Abriu o porta-luvas do carro, retirou de lá um pequeno revólver, abriu totalmente a janela e disparou as seis balas que ele continha.
Duas pessoas caíram.
Mais dois ficaram feridos ligeiramente.
Algumas ambulâncias foram chegando e um carro da polícia também.
Mas o Domingos já tinha sido amarrado por alguns homens que o entregaram aos agentes.
A Manuela estava aterrada. Também foi levada para o Hospital em estado de choque bem como os quatro feridos.
Mas nenhum fora atingido com muita gravidade.
 
Um mês depois já todos tinham tido alta e a Manuela Sampaio estava a tratar da papelada para o divórcio.
O Domingos Pacheco estava em prisão preventiva e a ser sujeito a exames do foro psiquiátrico por pedido do seu advogado.


publicado por António às 14:34
link do post | comentar | favorito
|

26 comentários:
De andorinha negra a 13 de Janeiro de 2008 às 20:36
O ciúme é uma coisa terrível! Mas a Manela também era provocadora, bolas! De qualquer modo, acho que o divórcio foi o melhor que tiveram a fazer. Mas o que esperará o pobre do Domingos?...

Bjs


De António a 13 de Janeiro de 2008 às 21:57
Olá, Leonor querida!
O Domingos vai para a pildra, claro!
(a Manela não era provocadora: as mulheres da geração dela são assim, muitas delas)

Beijinhos


De Paula Raposo a 14 de Janeiro de 2008 às 11:08
Deste uma boa volta à história e um final de que gostei. beijos.


De António a 14 de Janeiro de 2008 às 14:22
Olá, Paulinha!
Eu sou um artista português...ah ah ah

Beijinhos


De Sutra a 14 de Janeiro de 2008 às 17:37
Belos momentos aqueles com que nos brindas com estas histórias.
Uma questão muito delicada a do ciúme. Bastante.

Beijo doce e um bom ano, amigo António


De António a 15 de Janeiro de 2008 às 09:30
Minha querida!
Que bom ver-te por aqui.

Beijinhos


De wind a 14 de Janeiro de 2008 às 19:48
ena que "tragédio grega" como acaba:)
Uma boa história, contada como sempre aos mínimos pormenores e tocaste num ponto que estraga muitas relações, pois quem ama, liberta, não prende.
Beijos


De António a 15 de Janeiro de 2008 às 09:37
Querida Isabel, minha fiel leitora!
Obrigado por mais uma visita e mais um comentário.
E (malgré tout) desta vez não matei ninguém...ah ah ah

Beijinhos


De avelaneiraflorida a 14 de Janeiro de 2008 às 22:21
Pois...estava-se mesmo a ver que ia sair asneira!!!!


De António a 15 de Janeiro de 2008 às 09:46
Olá!
Estes comportamentos obsessivos costumam dar asneira, de facto!
Obrigado pela visita.

Beijinhos


De Margusta a 15 de Janeiro de 2008 às 14:14
Meu Querido António,
...Obrigada por te lembrares do meu aniversário..Obrigada querido amigo ..pelo postal lindo onde sorri com a animação e a música dos Parabéns!....

E tens razão viva o dia 6 e viva o dia 13 :)))

Beijinhos mil para ti Amigo !



De António a 15 de Janeiro de 2008 às 21:44
Olá, minha querida!
O prazer em saudar-te foi meu.

Beijinhos


De sophiamar a 16 de Janeiro de 2008 às 06:30
E lá mandaste mais cinco para o hospital contando com a Manela. Do que é capaz um marido ciumento! Depois, ela falava com o "esfarrapado" Mingos de uma forma tão ameaçadora! O homem estava desfeito pelos ciúmes e ela de saída. Quanto ao divórcio, não estranho porque, actualmente, é a regra. A excepção, manutenção do casamento, vai sendo uma raridade.
Deixo-te mil beijinhos


De António a 16 de Janeiro de 2008 às 22:21
Olá, Isabel querida!
Achas que a Manela falava de forma ameaçadora?
Era uma mulher de 27 anos (actuais) que se sentia prisioneira dos ciúmes mórbidos do marido.

Beijinhos


De leonoreta a 16 de Janeiro de 2008 às 15:46
aqui estáuma prova de que os textos podem dar as voltas que o autor quiser e quea partir de um tema podem surgir mil e uma coisas.
boa reconversão, sem duvida.
beijinhos


De António a 16 de Janeiro de 2008 às 22:18
Querida Leonor!
Eu diria que, muitas vezes não é o autor que dá as voltas mas as personagens que obrigam o autor a fazê-lo.
Comigo isso está sempre a acontecer: elas mandam mais do que eu!

Beijinhos


De leonoreta a 17 de Janeiro de 2008 às 08:35
isso é verdade.
depois da apresentaçao elas ganham vida propria e decidem o seu destino
beijinhos


De António a 17 de Janeiro de 2008 às 19:13
Somos dois grandes escritores!
ihihihih

Beijinhos


De vb a 17 de Janeiro de 2008 às 12:54
Olá António! Mais uma boa história. Já tenho visto cenas parecidas (excluindo os tiros)
Por falar em tiros, fiquei curioso. O tipo disparou seis, atingiu quatro! Falhou dois, ou algum deles levou com mais do que um???
Um abraço!


De António a 17 de Janeiro de 2008 às 13:57
Olá, Vítor!
Obrigado pela visita.
Quanto à questão dos tiros deixo ao teu critério...eh eh
Já vi que tens um texto novo mas como vou começar a fazer mudanças totais no meu material informático, só vou ler quando estiver com isto mais ou menos a meu gosto.

Abraço


De goretidias a 18 de Janeiro de 2008 às 20:08
Esse não precisava de um exame psiquiátrico... precisava de uma coisa que eu cá sei!
Um conto bem elaborado!
Abraço


De António a 19 de Janeiro de 2008 às 13:07
E que é que tu sabes que eu não sei?
ah ah ah

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter