Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Terça-feira, 29 de Janeiro de 2008
Encontro de Primos
O final do ano de 2007 ficou assinalado pela minha decisão de dar ao meu filho o Ford Fiesta, velho de mais de 10 anos mas novo de 57.000 km.
A entrada na vida activa do Fernando Miguel exigia que ele tivesse uma viatura para cumprir bem as suas tarefas.
E assim, a 28 de Dezembro comprei um Hyundai i30 1.4 comfort.
Depois, já em 2008, resolvi renovar todo o hardware e parte do software que vinha usando em casa há já vários anos e estava mais que obsoleto.
Encomendei um PC por medida, definindo os seus componentes principais (memória RAM, disco duro, processador, etc.) e escolhi o Windows XP 2007 como ambiente de trabalho, o Office 2007, o AVG 7.5 e outros softwares.
Até parecia um grande informático…
Finalmente, no fim-de-semana de 26 e 27 de Janeiro cumpriu-se o Encontro de Primos que estivera marcado para finais de Novembro mas que só agora se efectivou.
Mas que primos são esses?
Pois eu vou explicar: trata-se dos descendentes dos meus avós maternos, o Abel do Nascimento Brito e a Delfina Cândida Gomes.
Tiveram eles quatro filhas e um rapaz:
A Felisbela que casou com o Simão Meira, a Arminda com o António Gomes, a Maria José com o António Ribeiro e a Julieta, minha mãe, com o Fernando Castilho. O rapaz, António, faleceu com cerca de dez anos e deram-me o nome que ostento por homenagem a esse tio tão precocemente desaparecido.
De todos eles só sobrevive, e fará 93 anos em Abril, a Maria José que, apesar de apoquentada pela doença de Parkinson, não quis deixar de ir ao meeting familiar.
No sábado saí da Maia, com a minha mulher e o meu filho, pelas nove e meia para fazer cerca de 200 quilómetros – a primeira grande viagem do novo automóvel.
Fomos pela A28 mas, a certa altura, ela terminava e tivemos de regressar a Caminha para seguir pela N13 por Valença e Monção até Melgaço.
Sempre com um sol radioso num céu limpo de nuvens e sem que corresse uma brisa, metemos pela estrada para Castro Laboreiro e atacamos a serra da Peneda passando perto de Lamas de Mouro. Os montes tinham pouca vegetação deixando à vista a pedra com a sua força telúrica. Finalmente, umas dezenas de quilómetros percorridos, avistamos o vale verdejante onde corria um pequeno riacho cujo nome não consegui saber e em cuja encosta sul se situavam sete das oito antigas casas rurais feitas de granito nu mas agora com os interiores renovados e preparados para dar o mínimo de conforto aos citadinos que lá resolvem alojar-se.
Fomos os primeiros a chegar à Branda da Aveleira (branda é uma zona onde o gado vai pastar no verão) já passava do meio-dia e ocupamos a habitação que nos estava destinada: a Casa da Fonte. Perto ficavam as Casas do Castanheiro, do Piorno, da Bica, da Fonte do Carvalhinho, da Covinha e do Rio. Na encosta norte e um pouco mais afastada, a Casa Cova dos Anhos.
Arrumamos as coisas, acendemos a lareira com uma madeira que ardia muito bem mas de forma rapidíssima, comemos um almoço ligeiro à base de frutas e entretanto foram chegando os outros familiares.
Não os vou aqui enumerar: quem lá estava sabe quem eram; quem não estava e ler estas linhas não terá de se deparar com uma longa e chata listagem.
Éramos 30 adultos e 6 crianças de três gerações além da anciã que era a única representante da quarta, ou melhor, da primeira e mais antiga geração.
Faltaram só 8 pessoas: uns porque não quiseram ir e outros porque afazeres de última hora os inibiram de nos dar o prazer da sua companhia.
Tinha pedido ao meu filho para levar uma máquina fotográfica mas…ele esqueceu-se.
Nada de muito grave porque fotógrafos não faltavam e agora é só descarregar as fotos no PC e enviá-las a quem estiver interessado.
Os abraços e os beijos foram muitos.
E também as apresentações.
Muitos dos mais velhos não conheciam os mais novos e vice-versa. E também alguns consortes não eram conhecidos ou os seus rostos já estavam esquecidos no subconsciente.
Já o sol se escondera mas a temperatura continuava amena.
Foi então decidido que iríamos todos para a casa da Bica que tinha uma cozinha e sala com espaço razoável para se colocarem os comes e bebes que cada um levara e para alguns se sentarem (sim, porque só a vários quilómetros havia locais onde comer ou fazer compras).
Foi o tempo da conversa, das gargalhadas, da saudade…
Foi um tempo que aos mais velhos permitiu relembrar gentes e histórias e aos mais novos aprenderem alguma coisa com o passado.
E ver álbuns de fotos antigas.
O Tó-Zé Ribeiro tivera o trabalho de preparar um conjunto de CD’s com fotos velhas de décadas, digitalizadas, que distribuiu pelos outros.
Foi um tempo bom!
Cerca das duas da manhã já todos estavam nas respectivas casinhas.
A noite estava fria mas nada de insuportável. Não corria a menor brisa o que permitia suportar sem dificuldade a temperatura da serra, alta noite.
O meu filho estava sentado em frente à lareira a olhar as chamas e ouvir o crepitar do fogo. A casa estava quente. A minha mulher tentava acarinhar o sono. Eu não adormeci em cinco minutos como habitualmente mas ao fim de meia hora já estava nos braços de Morfeu. Acordei às sete e meia. Adormeci de novo e às nove e pico estava a pé. Abri as portadas de uma janela e vi um grande cipreste em primeiro plano e a encosta norte já banhada pelo sol. Mas havia outras espécies, como pinheiros e carvalhos, estes totalmente desfolhados.
Pelas dez horas fui pôr o carro a trabalhar um pouco e liguei o rádio, mas depressa optei por dar uma volta a pé.
Mas eis que passava o todo-o-terreno do Rui, levando a mulher Ana Paula e a sogra Fernanda.
Entrei, fomos badalar uma sineta que pertencera ao avô Abel junto de algumas casas e abalamos para um passeio pela serra: subimos montes, descemos vales, atravessamos ribeiros, apreciamos um grande espaço plano e aberto delimitado a norte por amieiros onde o gado selvagem se junta e as crias são rodeadas pelos adultos que, de costas para o exterior do círculo que formam, recebem ao coice os carnívoros predadores, sobretudo os lobos. Mas não estava lá animal nenhum…
Mesmo ao lado vimos e espreitamos uma mamoa: um túmulo megalítico, espécie de anta rodeada por terra que lhe dava a forma de uma mama. Há milhares delas na serra. Tantas que nem estão todas contadas. Quando constou que os mortos tinham sido enterrados com as suas riquezas, muitas foram vandalizadas.
Na parte final do passeiro acompanhamos três garranos (uma espécie de póneis, mas mais robustos): um jovem e duas fêmeas visivelmente prenhas.
Finalmente chegamos ao povoado.
Pouco depois do meio-dia estávamos a seguir em fila indiana para Melgaço, só que desta vez fomos pelo Gave. Trajecto mais curto mas mais bonito, com muitos precipícios forrados de verde e salpicados de casas nas zonas de menor declive.
O almoço foi na Adega do Sossego.
Após o repasto, o Nando, com mais cinco anos do que eu, distribuiu uns interessantes chocalhos em louça com umas palavras escritas referentes ao encontro e com o brasão dos Brito que parece ter sido pesquisado no Google. Um toque de modernidade.
No final, fui impelido pelo Jorge Meira, o primo mais velho, a fazer uma pequena intervenção para perguntar se a experiência seria ou não para repetir.
- Quem vota contra?
- Quem se abstém?
- Aprovado por unanimidade e aclamação – concluí, batendo palmas.
E o 1º Encontro de Primos terminou com todos a voltarem aos automóveis e regressarem à vida citadina.
Que pena! – pensei.
 
 
Nota: Trouxe da serra um leitor-gravador de diskettes Zip Iomega que funcionou e me permitiu salvar os ficheiros que tinha aprisionados há vários meses por avaria do meu aparelho.
O meu obrigado especial ao Rui Azevedo, mas também a todas as pessoas que de alguma forma procuraram ajudar-me a resolver o problema.


publicado por António às 21:42
link do post | comentar | favorito
|

20 comentários:
De wind a 30 de Janeiro de 2008 às 11:21
Que bela descrição e que vontade de ver e sentir essas coisas bonitas da serra:)
Beijos


De António a 30 de Janeiro de 2008 às 12:31
Querida Isabel!
Parece que estou de regresso...

Beijinhos


De leonoreta a 30 de Janeiro de 2008 às 19:55
generosamente nos deste a conhecer como passaste o teu fim de semana. obrigado pela tua singeleza. foi bonito.
beijinhos


De António a 30 de Janeiro de 2008 às 21:36
Sou muito generoso...eh eh

Beijinhos


De Paula Raposo a 31 de Janeiro de 2008 às 12:20
Gostei imenso de ter lido esta descrição desse maravilhoso encontro de familiares. É bonito quando assim acontece, é bom recordar e esperar pelo próximo!! Beijinhos.


De António a 31 de Janeiro de 2008 às 13:05
Olá, Paulinha!
Este post foi escrito sobretudo para perpetuar algumas memórias que me pareceram justificá-lo.

Beijinhos


De lena a 31 de Janeiro de 2008 às 20:44
António foi com ternura que li e "assisti" comovida a esses sentires

adorei a magia que me envolveu a narração que fizeste deste teu encontros de primos

senti-me presente no caminhar de tanta beleza

obrigada por te teres lembrado de mim, sabes certamente o que agradeço


beijinhos e o meu abraço, muito forte onde o carinho é presença


lena


De António a 31 de Janeiro de 2008 às 21:55
Querida Lena!
Obrigado pela visita e pelo comentário.
Como vês, parece que me esqueço dos amigos mas não esqueço...
O tempo é que não dá para tudo!

Beijinhos


De sophiamar a 1 de Fevereiro de 2008 às 00:03
Gostei deste encontro que nos relatas. Também fiz, há alguns anos, um encontro de primos. Foi muito agradável. Ainda não repetimos.
Beijinhosssss


De António a 1 de Fevereiro de 2008 às 09:05
Olá, Isabel!
Estou a voltar, mas aos poucos...

Beijinhos


De goretidias a 2 de Fevereiro de 2008 às 21:24
Que maravilhoso encontro! E que belo passeio! Obrigada por teres partilhado connosco. E ainda bem que arranjaste o tal gravador... o meu foi-se mesmo tb!
Um abraço


De António a 3 de Fevereiro de 2008 às 00:11
Olá, Goreti!
Depois de 4 ou 5 semanas com bastantes coisas para fazer, vamos ver se volto a uma vida mais pacata e mais literária...ah ah ah

Beijinhos


De Brito Ribeiro a 3 de Fevereiro de 2008 às 17:27
Caro primo, a tua crónica é excelente, assim como foi o nosso fim de semana de convívio na Branda da Aveleira, nos confins da Serra da Peneda. Tambem eu aguardo, com expectativa, o teu regresso literário. Vá lá, já chega de mandriar!

Abraço


De António a 3 de Fevereiro de 2008 às 18:55
Olá!
Vou espreitar e ver se já escreveste sobre o "meeting".

Abraço


De Maria Papoila a 3 de Fevereiro de 2008 às 17:55
Olá António:
è tão bom encontrarmos assim os primos e reviver momentos que passamos juntos!
O local por ti descrito aguça o apetite para marcar um encontro assim.
Beijos


De António a 3 de Fevereiro de 2008 às 18:57
Olá, Papoila!
Podes crer que é um sítio estupendo...mas se estivesse mau tempo não seria uma boa opção.

Beijinhos


De Peter15 a 3 de Fevereiro de 2008 às 22:27
Parabéns pelo novo hardware, pela reunião de Primos e por todos esses sìtios maravilhosos que desconheço, mas gostava de conhecer.
Invejo quem tem grandes famílias e possibilidade de se juntarem.
É bom ter-te de volta.


De António a 4 de Fevereiro de 2008 às 00:12
Vamos ver se não perdi o treino...eh eh

Abraço


De Menina_marota a 4 de Fevereiro de 2008 às 09:59
É sempre tão difícil entrar aqui!!! Mas lá consegui.
Vim deixar-te um abraço e desejar-te um bom Carnaval ;))


De António a 4 de Fevereiro de 2008 às 14:13
Minha querida!
Tenho muito medo dos ladrões...eh eh
Tudo de bom!

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter