Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008
Histórias curtas XXXVII - Infidelidades
Reconversão do texto “Diálogos de gente VII – O corno” de 16 de Abril de 2006
 
Sábado à tarde.
O cinquentão Augusto Simões, professor de História, sabendo que a sua mulher Maria de Fátima, também docente da mesma disciplina mas noutra escola, tinha um compromisso no exterior com umas amigas, chamara a sua casa e esperava a chegada do seu irmão mais novo.
Serafim tinha menos dez anos do que ele.
A mulher tinha menos quinze anos. Ainda não fizera quarenta.
Quando o mano chegou, Augusto, muito circunspecto, disse-lhe:
- Ó Serafim! Preciso de alguém para desabafar.
- Sou todo ouvidos! – incitou o outro.
- Sabes que gosto muito da Fati, mas descobri que ela me trai.
Fez uma pausa.
O irmão fitava-o fixamente e com o rosto fechado, mas não dizia nada.
Por isso, continuou:
- Eu já há uns tempos que andava desconfiado. Todas, ou quasi todas as tardes de quarta-feira me dizia que ía até à baixa ver se havia alguma coisa interessante para comprar e encontrar-se com umas amigas. E aos sábados a mesma coisa. Mas, nesse dia, algumas vezes eu acompanhava-a. Até que resolvi segui-la na última quarta.
- Oh pá! – exclamou o outro.
- Deixa-me acabar! – pediu o Augusto e prosseguiu – Vi-a entrar para uma hospedaria. Passado pouco tempo entrou um tipo cuja cara me era familiar. Um colega dela, lá na escola. Ao fim de quasi duas horas a minha mulher saiu e pouco depois ele fez o mesmo. Cada um seguiu o seu caminho e ela regressou a casa.
- Desculpa-me interromper-te! – disse o Serafim – Mas porque desconfiaste?
- Sabes que ultimamente a tenho procurado pouco! – disse o Gusto – Ando com muito trabalho, os anos vão pesando e quando chegam as onze ou onze e meia vou para a cama e adormeço como uma pedra. Dantes, ela ainda me espicaçava e eu correspondia algumas vezes. Outras, dizia que queria dormir e descansar. Actualmente, nem eu nem ela. Não temos relações há algum tempo.
- Estou espantado! E agora? – perguntou o irmão.
- Agora? – e fez uma pausa, de cabeça baixa, o Augusto – Eu ainda gosto muito da Fati e não sei bem o que fazer. Digo-lhe o que sei ou não? Provavelmente não digo nada e vou tentar reatar uma actividade sexual mais frequente. Para isso preciso de trabalhar menos e descansar um pouco mais. Ela é nova e ainda com muito sangue na guelra. Pensei dizer-lhe tudo, mas o mais certo é perdê-la para sempre. Pode ser que, não falando em nada, a reconquiste. Como não falta muito para as férias vou propor-lhe fazermos uma viagem interessante, ao estrangeiro. Tentar que ela se afaste dele. E às quartas à tarde vou arranjar pretexto, pelo menos algumas vezes, para a acompanhar.
- Sabes se ele é casado? – quis saber o mano mais novo.
- Penso que sim.
- Podias contactar a mulher dele e contar-lhe. Assim seriam dois a ajudar ao fim da relação – sugeriu o Serafim.
- É uma ideia. Nem me tinha lembrado disso – retorquiu o enganado.
E continuou:
- Vou pensar melhor nessa hipótese, mas primeiro vou tentar o que te disse. Que achas?
- Se não lhe queres dizer nada é porque não estás interessado na separação. Portanto, e considerando que queres salvar o casamento, acho que a tua ideia parece ser boa. Mas não sei se o que há entre eles é meramente carnal ou é mais do que isso. Se ele for casado e também não quiser acabar com o casamento, talvez resulte. Embora a ajuda da mulher dele pudesse ser preciosa – alvitrou o Serafim.
- O pior é se ela resolve querer separar-se dele; assim fica o caminho aberto para a Fati e o gajo – lembrou o marido.
- Tens razão! Sabes que é muito difícil dar conselhos em situações destas, especialmente quando não se conhece as pessoas todas e um conjunto de detalhes. Não sei bem o que te diga! – confessou o irmão.
- Eu compreendo-te! Mas quis dizer-te isto para desabafar e para que tu estivesses ao corrente da situação. Pode ser que possas ajudar. Se não for hoje, noutras ocasiões. – disse o Augusto – Sabes que já me sinto mais desanuviado?
- Eu gosto muito de ti, mano. Na medida das minhas possibilidades, tentarei ajudar-te a reconquistar a tua mulher e a afastar o outro.
Com os olhos brilhantes, Augusto levantou-se e foi dar um beijo ao irmão.
- Eu sei que posso contar contigo. Mas o papel principal tem de ser meu.
Conversaram ainda algum tempo sobre este e outros assuntos.
Por fim, o mais novo despediu-se e saiu.
E foi pensando consigo mesmo:
- Então o meu irmão é corno! E corno manso! Mas isso é o que mais há! Como se costuma dizer: um homem sem cornos é como um jardim sem flores. Oxalá consiga atingir o objectivo de reconquistar a mulher. Ele gosta mesmo dela. Mas duvido que ela o mereça! 
                     
Finalmente, e após mais uns dias de investigação e meditação, o Augusto descobriu que a mulher do amante da Fati era professora na mesma escola onde ele leccionava e decidiu arriscar e ir falar com a colega Judite. Ela era uma professora de Português de uns quarenta e cinco anos, mais coisa menos coisa, que parecia ser a idade do marido, o professor de Matemática, Jaime Pereira.
Optou por a visitar em casa numa das quartas-feiras em que o marido saía, alegadamente para ir dar umas explicações a casa de dois irmãos.
Receosamente tocou à campainha. Veio à porta uma bonita moça dos seus vinte anos. 
- Pretendia falar com a Sr.ª Dr.ª Judite Pereira – disse.
- E quem devo anunciar?
- Augusto Simões, colega na escola.
- Um momento, por favor.
Pouco depois apareceu uma mulher muito elegante e, se não era uma beldade, tinha um ar sensual e apelativo.
- Desculpa aparecer assim, mas trata-se de um assunto muito sério e precisava de falar consigo a sós – sussurrou.
- Mas está aqui a minha filha! – falou também baixo a professora, como que influenciada pelo homem – Vamos ali ao café?
- Está bem!
- Olguinha! – gritou – Vou ali ao café falar com este colega e volto breve.
- Até já! – respondeu a moça.
Uma vez acomodados e depois de ela ter pedido um café e ele um descafeinado, o Augusto contou tudo o que sabia sobre os respectivos cônjuges.
A Judite ouviu-o atentamente mas parecia esboçar um ligeiro sorriso em vez de fechar o rosto ou soltar exclamações de admiração.
Por fim, ela falou:
- Eu já sabia isso tudo! O que tu fizeste já eu fizera também. Mas não sabia que atitude tomar e fui deixando a coisa correr.
Quem mostrava uma cara de espanto era o professor.
Mas ela continuou:
- Enquanto falavas, ocorreu-me uma ideia que é bastante perversa mas que acaba por se encaixar no adágio “amor com amor se paga” só que neste caso seria “cornos com cornos se pagam”.
- Mas…
- Exactamente! Tu parece que andas a seco e eu a seco ando. Tu parece não quereres destruir o teu casamento e eu, pelo menos para já e por razões um tanto complicadas e que não vem ao caso, também não. Portanto, enquanto eles se consolam, nós também nos consolamos e ao mesmo tempo vingamo-nos…
- Agora até me deixaste um tanto zonzo…
- Acredito! Já andava a pensar em o trair mas não sabia como: tu és o tipo ideal. Para que saibas, até tenho um fraco por ti…
- Confesso que também te acho uma mulher muito interessante... – descaiu-se o Augusto.
- Então começaremos por ir ver uma sessão de cinema no sábado à tarde e depois deixamos as coisas correrem normalmente. Dá-me o teu número do telemóvel e toma nota do meu.
Feita a permuta…
- Tu surpreendes-me com a capacidade de agir de forma tão fria e calculista. – deixou escapar o homem – Não gostas do Jaime?
- Gosto! Mas os meus sentimentos arrefeceram muito depois de ter descoberto a traição. Juro-te que não estou apaixonada.
- Eu também não! Mas ainda gosto muito da Fátima e tudo isto me tem custado imenso – confessou o Augusto.
E continuaram a conversar até acharem que era tempo de irem cada um á sua vida.
Conheciam-se mal mas, a hora e meia de conversa tão íntima e tão cúmplice, pareceu fazer nascer entre ambos uma estranha atracção.
 
E começaram rapidamente a ter encontros íntimos exactamente nas mesmas ocasiões em que a Fátima e o Jaime estavam juntos.
Iam para uma residencial num local bastante distante daquela onde o outro par se encontrava.
Até que, passados uns três meses, e quando o Augusto já nutria um importante afecto pela Judite, ela propôs:
- Da próxima vamos à “Rainha de espadas”. Certo?
- Onde eles se encontram? A que propósito? – inquiriu ele.
- Ora! É altura de saberem que nós estamos a par de tudo e que eles também são cornudos – falou ela com a frieza habitual.
- Achas boa ideia? Parece-me que vai perturbar a paz reinante – disse o Gusto em tom que deixava transparecer desacordo.
- Pois eu acho que é altura de definir as coisas: ou cada um volta para o seu parceiro, ou divorciamo-nos e eles fazem como quiserem e nós passamos a viver na mesma casa ou, no mínimo, a assumir publicamente a relação e a dormir juntos. Esta situação não se pode eternizar! – avançou, decidida, a mulher.
- Dá-me uns dias para meditar no assunto, sim?
- Ok! Uma semana? – sugeriu ela.
- Sim! Penso que é suficiente – anuiu ele.
E ao fim dos sete dias ele apareceu com a resposta:
- Acho que tens toda a razão! É tempo de decisões mais definitivas.
E quatro dias depois foram para a ”Rainha de espadas” e sentaram-se num sofá junto à porta mas pouco visível para quem entrasse na residencial.
Não tardou muito que aparecesse a Fátima.
Quando os viu sentiu um calafrio e ficou especada, mas a Judite disse-lhe:
- Pode estar calma! Não vamos para o vosso quarto.
Levantou-se, aproximou-se dela e continuou:
- Devo dizer-lhe que o vosso segredo já não o é há muito tempo. O que vocês não sabiam era que eu e o seu homem andávamos enrolados…
Neste momento entrou o Jaime que ficou parado junto da porta ao ver as duas mulheres. O seu primeiro pensamento foi fugir, mas conteve-se.
O Augusto levantou-se então e sugeriu:
- Vamos para os nossos quartos! – e acrescentou – Eu vou com a Judite, obviamente. E depois podemos ir jantar juntos e conversar.
- Penso que temos de conversar mas não hoje! – falou o recém-chegado, ainda sem perceber exactamente o que se passara – Primeiro quero falar com a Judite e com a Fátima.
- Muito bem! Eu também quero falar com elas. Portanto agora vamos ao amor e depois combinamos um jantar a quatro, se assim entenderem – falou, com uma frieza que o tornava irreconhecível, o Augusto.
- Então até mais ver! Vamos para cima! – e a Judite começou a pisar os degraus um a um.
O amante seguiu-a, como sempre, e os outros, bem conhecidos da funcionária da recepção, ficaram a olhar um para o outro com cara de basbaques enquanto a rapariga exibia um sorriso mordaz.
- Bom! Subimos, meu amor? – convidou a mulher.
Ele hesitou e respondeu:
- Sim! Mas tens de me explicar o que se passou.
-Sim, meu querido! Mas parece que brevemente vamos estar juntos muito mais tempo do que agora.
Deram-se as mãos e subiram também as escadas, dirigindo-se para um dos quartos onde tantas vezes se tinham amado.
 


publicado por António às 14:46
link do post | comentar | favorito
|

22 comentários:
De leonoreta a 4 de Fevereiro de 2008 às 17:30
bemmmmmmmmmmmmm...
o caso exposto assim desta maneira parece muito fácil. na realidade não acredito que as coisas se teriam passado assim, principalmente agora com o horario que os professores tem.
beijinhos


De António a 4 de Fevereiro de 2008 às 18:42
Ó querida Leonor!
E quem te disse que a acção decorre no tempo do Sócrates?
Recua uns anitos...

Beijinhos


De leonoreta a 5 de Fevereiro de 2008 às 09:30
ah.claro
esta certo
beijinhos


De António a 5 de Fevereiro de 2008 às 10:18
Como vês, minha querida, tanto faz escrever e postar como não fazer nada...
Juro que vou criar um site porno e vais ver as visitas que tem...ah ah ah

Beijinhos


De wind a 5 de Fevereiro de 2008 às 12:25
Gargalhadas, muito boa esta história:)
É de facto um dito popular" amor com amor se paga":)
Gostei muito:)
Beijos


De António a 5 de Fevereiro de 2008 às 15:17
Olá, Isabel!
Persigo os professores ainda mais do que a Ministra Maria de Lurdes Rodrigues...ah ah ah

Beijinhos


De Brito Ribeiro a 5 de Fevereiro de 2008 às 15:27
Gente muito "civilizada" estes teus personagens. Esperava um pouco de sangue, pelo menos uma zaragata com loiça partida!

Abraço


De António a 5 de Fevereiro de 2008 às 18:17
Todos tinham culpas no cartório e não queriam que as autoridades fossem chamadas...além de se saberem comportar!
Enfim...pancadaria não é (normalmente) nestes extractos sociais.

Abraço


De Maria Papoila a 5 de Fevereiro de 2008 às 16:50
Olá António:
Uma história que me deliciou pelo humor, pela forma como "o amor com amor se paga...", mas em que os inteinevientes se portaram muito civilizadamente.
Gostei!
Beijos


De António a 5 de Fevereiro de 2008 às 18:18
Minha querida Papoila!
Gente fina é outra coisa, não é?

Beijinhos


De Paula Raposo a 6 de Fevereiro de 2008 às 12:07
Ora bem!! Não está mal visto não senhor!! Gostei desta sequência...eh eh beijos.


De António a 6 de Fevereiro de 2008 às 22:04
Sabes porque gostaste, Paulinha?
Porque és uma malandra...ah ahah

Beijinhos


De Sutra a 7 de Fevereiro de 2008 às 13:23
Ai as infidelidades...
Onde começa e termina uma infidelidade?...

Bj doce


De António a 7 de Fevereiro de 2008 às 18:34
Olá, minha querida!
Começa no olhar e acaba na cama...eh eh
(também pode acabar na cama de um hospital...eh eh)

Beijinhos


De sophiamar a 8 de Fevereiro de 2008 às 21:19
Meu querido António mas tu arranjaste dois casais únicos. Quando eu esperava pancadaria da antiga eis que me trocas as voltas e optas pelo amor com amor se paga que é o mesmo que dizer traição com traição se paga. Não imaginava que isto fosse possível mas o que é que tu não consegues?Ai, estes professores!

Quanto ao meu azeiteiro é um bonacheirão mas também os há parecidos com o teu professor.
Não é assim? Tipo corno manso como diz o Serafim?
Deixo-te beijinhossssss


De António a 9 de Fevereiro de 2008 às 08:03
Mnha querida!
Obrigado por teres aparecido.
Acho que não sabes mesmo o que é um "azeiteiro".
Mas eu digo-te: é um proxeneta, um chulo.
Regionalismos...ah ah ah

Beijinhos


De sophiamar a 9 de Fevereiro de 2008 às 12:09
Pois, meu querido António, desconhecia de todo essa conotação. Depreendi , há tempos, que seria um pobre homem enganado. Traído! Tu esclareceste-me finalmente. Ora bolas! Andava enganada! Tão diferente!
Irei aparecendo enquanto aqui estiveres embora o meu blogue esteja em risco de desaparecer. Submeti-o a uma plástica mas reconheço que, apesar disso, não aguentará muito tempo. Um acontecimento que muito me marcou irá fazê-lo desaparecer muito em breve. Mas outro aparecerá e disso te darei imediatamente conhecimento. Sem a tua presença sinto-me sem uma asa. Coisas da amizade sã, desinteressada que aqui foi crescendo.

Beijinhosssss mil


De António a 9 de Fevereiro de 2008 às 13:48
É caso para dizer:
- Aprende que eu não duro sempre!
ah ah ah
Minha querida!
Se acabas com este teu actual blog e crias outro não há grande problema.
Se não tivesses nenhum é que seria pior.

Beijinhos


De Margusta a 9 de Fevereiro de 2008 às 01:12
Olá meu Querido António!
...E lá regressas-te tu com toda essa imaginação , e os teus contos cheios de ricos personagens!

Eu olha ..ando muito preguiçosa, se te disser que tenho mais de2000 mails para abrir, possivelmente não vais acreditar :)

...è..não sei o que e passa comigo, além da falta de tempo....

Um beijinho meu querido amigo e um Bom fim de semana para ti!


De António a 9 de Fevereiro de 2008 às 08:05
Minha querida amiga!
Bem aparecida!
Andas preguiçosa?
Também eu...ah ah ah

Beijinhos


De poesiamgd.blogspot.com a 9 de Fevereiro de 2008 às 12:45
Uma solução simples e eficaz! Vivam a paz e a harmonia!
Agora a sério: tu tens cá uma imaginação que eu vou-te contar! Só pode mesmo ser imaginação porque na vida real isto não existe! penso eu! As traições pagam-se caras por todas as partes, por quem trai e por que é traído!
Um bom fim de semana!


De António a 9 de Fevereiro de 2008 às 13:54
Minha querida!
Quem te disse que isto não existe?
Existe tudo o que tu possas imaginar e mesmo o que não imaginas.
Pode, mas isso é outra coisa, não ser a situação mais comum.
Mas não será mesmo?
As pessoas são absolutamente surpreendentes...

Conheci um médico que ía passear de carro ao domingo com a mulher e a amante...e a esposa sabia!
Acreditas?
Não?
Mas é mesmo verdade!
ah ah ah

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter