Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2008
O planeta dos gigantes e dos anões
Gilberto nasceu e foi criado num país cheio de montanhas que no inverno se tapavam com um manto de alvíssima neve e no verão se recobriam de um tapete de pastagens verdejantes onde o gado e os pastores se deliciavam sob um sol donde dimanava um suave calor.
Lá no alto tudo era calma e as gentes viviam em paz e sossego, sem disputas nem invejas.
Mas, feito homem, decidiu deixar aquelas terras de sonho onde os habitantes eram iguais e felizes, partindo para os vales e planícies onde havia aldeias, vilas e cidades povoadas por gente diferente: uns eram gigantes e à sua passagem pisavam os outros que eram pequenos anões. Estes eram muito mais numerosos mas ficavam impotentes perante a força dos grandes que em tudo mandavam e tudo dominavam.
Gilberto não gostou do que viu!
Por isso resolveu partir para um país mais longínquo em busca de um trabalho em que fosse pago justamente e pudesse sentir-se de bem consigo e com os outros.
Mas o panorama era sempre o mesmo: os grandes dominavam os pequenos que eram vítimas de todo o tipo de actos de amesquinhamento, aviltamento e degradação.
Passou para outro país, e mais outro e mais outro em busca de uma terra de justiça e igualdade.
Mas era tudo sempre o mesmo: os liliputianos eram pouco instruídos, muitos morriam ainda crianças, eram doentes e fracos e trabalhavam para que os gigantes pudessem fazer uma vida faustosa.
Estes também morriam mas quasi sempre de velhice e, quando ocorria um passamento, os vivos iam comer o que dele restava, num festim em que cada um procurava ficar com mais do que o outro.
E Gilberto durante anos percorreu esse planeta que ele foi conhecendo cada vez melhor e onde só encontrou grandes diferenças entre os seus habitantes.
Por fim, triste e desiludido, resolveu voltar para os seus montes.
Mas qual não foi o seu espanto quando verificou que quem lá vivia agora eram também gigantes e anões.


publicado por António às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008
25 anos
Faz hoje 25 anos que faleceu a minha mãe.
Como o tempo passa depressa…
 
Há exactamente um ano escrevi no “Eu sou louco!” do Blogger (http://eusoulouco.blogspot.com) um texto com o título:
Hoje não é Dia dos Namorados
Vou reproduzi-lo como forma de a relembrar, homenagear e perpetuar a sua memória:
 
“14 de Fevereiro.
Hoje faz 24 anos que faleceu a minha mãe.
Foi numa segunda-feira de Carnaval.
Na terça-feira, ao acordar, abri a persiana e olhei pela janela.
Estava tudo coberto de neve.
Nunca mais vi assim a Maia e já cá resido há 27 anos.
Será que a natureza se vestiu de branco especialmente para se despedir da mãe Julieta?
 
Numa sexta-feira, recebi um telefonema do meu cunhado que na altura vivia com a minha irmã e os dois filhos em casa dos meus pais. Já tinha jantado e ele disse-me que iriam levar a minha mãe para o Hospital de Santo António, para a Urgência.
Já não se vinha sentindo muito bem e tinha muitas dores nos membros inferiores, mas a situação agravara-se.
Comentei para a minha mulher:
- É o começo do fim da minha mãe!
Premonição?
Acho que não, mas tinha a certeza que tinha razão.
Fui logo para lá. Que confusão!
Finalmente lá foi para uma enfermaria.
No sábado fui visitá-la. Falei com os médicos. Não sabiam qual a causa do mal, mas inclinavam-se para um vírus que lhe teria atacado o sistema nervoso e provocado uma paralisia flácida ascendente.
No domingo foi o baptizado do meu filho. Não houve qualquer festa, naturalmente. A minha mãe tinha mandado fazer um vestido novo para usar nesse dia. Não o usou nesse dia mas foi o que escolhemos para lhe servir de mortalha.
Foi a última vez que a vi consciente.
Na 2ª feira de manhã, por voltas das onze horas, telefonou a minha irmã que, por razões profissionais se mexia bem naquele Hospital, a dizer:
- A mamã está em coma nos Cuidados Intensivos.
O horário de visita era só de meia hora e não mais de duas pessoas de cada vez.
Mas a situação agravava-se dia a dia. A causa da doença continuava mal definida. A temperatura do corpo era de 35º centígrados.
No sábado, um médico disse-me que a mãe Julieta já estava num estado de morte cerebral, irreversível.
A segunda-feira de Carnaval foi o dia oficial da morte pois foi quando desligaram as máquinas que a mantinham aparentemente com um sopro de vida. Mas era só aparentemente.
A autópsia, que não foi conclusiva, e o funeral realizaram-se na quarta-feira de cinzas.
Foi sepultada no jazigo da família em Vila Praia de Âncora. Tinha 66 anos.
Dez anos depois o meu pai foi-lhe fazer companhia.
 
Foi em 1983.
Faz hoje 24 anos!
Mas parece que foi ontem!
Escrevi tudo isto de rajada e não verti uma lágrima.
Acho que as gastei todas esta manhã.”


publicado por António às 13:31
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|

Sábado, 9 de Fevereiro de 2008
Histórias curtas XXXVIII - O bajulador
Reconversão do texto “Diálogos de gente (IX) – O lambe-botas” de 25 de Abril de 2006
 
Duarte Nóvoa estava sentado na secretária do seu gabinete a escrever um e-mail de resposta a uma questão suscitada pelo seu superior hierárquico e Director – Geral.
Eis que o seu subordinado Óscar Ribeiro assomou à porta do compartimento e perguntou baixinho:
- O Sr. engenheiro dá licença?
O chefe nem teve de levantar a cabeça para saber quem era:
- Ó Óscar! Eu agora preciso de estar concentrado aqui a redigir um texto para o meu chefe. Falamos daqui a um bocadinho.
- Sim, Sr. engenheiro Nóvoa – respondeu o Ribeiro, ao mesmo tempo que entrava completamente no gabinete e se postava silenciosamente junto à porta.
Ao fim de uns bons dez minutos:
- Ufa! Finalmente! – suspirou o Duarte e, reparando no outro – Então você ainda está aí, Ribeiro?
- Estava à espera que o Sr. engenheiro acabasse esse trabalho para falar consigo.
- Já lhe disse para não me chamar Sr. engenheiro. Não gosto. Pode chamar-me engenheiro Nóvoa se quiser usar o título, mas sabe muito bem que não gosto muito disso. O meu nome é Duarte Nóvoa – repreendeu o “manda-chuva”.
- Pois é! Mas estou habituado a meter sempre o engenheiro e agora, se não usar, não me sinto bem – justificou-se o Óscar.
- Mas afinal qual é o problema, Ribeiro? – interrogou o Nóvoa.
- Queria pedir-lhe autorização para logo à tarde me deixar sair. Tenho uma consulta marcada no oftalmologista às quatro horas. Mas eu ainda venho cá depois porque o Sr. engenheiro Nóvoa pode precisar de mim – disse o homem.
- Está muito bem! É sensato olhar pela saúde e a visão deve ser bem vigiada – autorizou o engenheiro.
E continuou:
- E está dispensado para o resto da tarde. Você passa cá muito tempo e até lhe faz bem ir apanhar ar fresco. Senão ainda fica mais doente estando sempre aqui metido.
- Muito obrigado, Sr. engenheiro! – agradeceu o Óscar – Mas eu gosto de estar aqui porque acho que devo dar o máximo de tempo à empresa que me paga.
- Eu agradeço muito a sua dedicação, Ribeiro, mas não quero que prejudique a sua vida privada e familiar. Salvo em situações excepcionais – disse o chefe.
- Sabe que, se eu não estou, muitas das outras pessoas que cá trabalham não sentem tanto a firma e alguns assuntos ficam adiados. Eu procuro resolver tudo de imediato.
- Eu sei da sua dedicação, Ribeiro! Não precisa de ma lembrar. – afirmou o Nóvoa, já um pouco fatigado dos salamaleques e auto-elogios do outro – Pode retirar-se e, se me fizer o favor, peça ao Nogueira para cá vir.
- Acho que o Nogueira não está cá! Mas eu vou procurá-lo e se estiver eu dou-lhe o recado – prontificou-se o lambe – botas.
- O Nogueira não está cá? Mas ninguém me disse nada! – admirou-se o Duarte.
- Eu não tenho a certeza, mas vou já tratar disso. Com licença! – e saiu da sala, o Ribeiro.
- Até que enfim! Este tipo é pior que uma carraça! – desabafou para consigo o Director do Departamento.
Passados alguns minutos, apareceu novamente o Óscar.
- O Sr. engenheiro dá licença? – perguntou.
- Diga lá, Ribeiro!
- Estive a procurar o meu colega Nogueira mas não o encontrei.
- Mas ele saiu e não disse nada? – perguntou, um pouco irritado, o responsável.
- Parece que saiu e não disse nada a ninguém – enfatizou o graxista.
- Isto assim não pode ser!
Mas eis que surgiu à porta um terceiro homem!
- O engenheiro andava à minha procura?
- Ó Nogueira! Afinal você está cá!
- Estive sempre! Mas de vez em quando tenho umas necessidades fisiológicas para satisfazer – disse o recém-chegado enquanto olhava com cara de poucos amigos para o Ribeiro.
- Entre e sente-se! E você, Ribeiro, pode retirar-se. Já não preciso de si, por enquanto – ordenou o Director.
- Então, com a sua licença, Sr. engenheiro!
E o Óscar Ribeiro saiu, a pensar:
- Este sacana vai ter de me dar um bom aumento! Nem que tenha de passar cá dentro 24 horas sobre 24 horas.
 
E os dias, as semanas, os meses foram correndo e o sabujo continuava a irritar tudo e todos.
Tal era a ânsia de exibir a sua dedicação e entrega à firma que nem percebia quão ridículo se tornava, mesmo aos olhos daqueles que mais bajulava.
Um dia, um grupo de colegas que não o suportava resolveu agir e encarregou o Jorge França, que era um excelente imitador, de telefonar para casa do Ribeiro cerca das três da madrugada simulando ser o engenheiro Duarte Nóvoa.
E ele assim fez:
- Ó Ribeiro! Desculpe estar a incomodá-lo a esta hora mas eu estou aqui na empresa porque se declarou um princípio de incêndio. Um segurança do prédio chamou os bombeiros que apagaram o fogo mas alagaram tudo e estragaram imensas coisas. Você não se importa de dar aqui um salto para ajudar a fazer umas arrumações? De manhã dormimos e vem outros e nós continuamos de tarde…uma espécie de turnos.
- Vou já, Sr. engenheiro Nóvoa! É só o tempo de me vestir e fazer a viagem. Acho que estou aí em vinte minutos.
- Obrigado, Ribeiro! Eu sabia que podia contar consigo. Depois será devidamente compensado – prometeu o chefe.
- Então até já!
Claro que quando o homem, um quarentão baixo, calvo e anafado chegou ao seu destino estava tudo na maior das calmarias.
Falou com o segurança que lhe garantiu que nessa noite nada de anormal se passara e muito menos tinham lá estado os bombeiros.
Afastou-se em direcção à sua viatura enquanto cogitava:
- O engenheiro era incapaz de me fazer uma coisa destas; mas a voz era a dele…ah…só pode ter sido o sacana do França. Maldito! Mas o chefe vai ficar a saber disto! Claro que vai!
 
No dia seguinte o Óscar Ribeiro chegou ao serviço à hora habitual mas um tanto ensonado. Todavia, não deixou de reparar que era alvo de olhares trocistas, facto que o deixou deveras irritado.
Ao passar pelo França murmurou:
- Vais-te arrepender do que fizeste!
E dirigiu-se ao gabinete do engenheiro Duarte Nóvoa.
- Posso entrar, Sr. engenheiro Nóvoa?
- Entre, Ribeiro, entre! Eu queria mesmo falar consigo.
- Mas antes, e se me autorizasse, queria contar-lhe o que me fizeram esta madrugada e provocou que hoje esteja com um ar menos agradável.
E contou tudo o que ocorrera…
O chefe olhava para ele muito atentamente e com um ar muito sério.
Quando o Óscar Ribeiro terminou a narrativa o engenheiro falou:
- Ó Ribeiro! Olhe que não foi o França. Fui mesmo eu…
 O outro ficou a olhar para o Director de Departamento com cara de parvo e, ao fim de uns segundos, perguntou:
- Mas como pode ter sido o Sr. engenheiro?
- Nem você nem ninguém nesta casa sabe que eu sou sonâmbulo. Como a minha mulher me acordou de noite quando eu acabava de fazer um telefonema, embora não me lembrasse de nada, ela foi ver que número eu marcara e era o seu. Ainda tentei comunicar consigo mas você já saíra e não deve ter levado o telemóvel. Pensei em deixar uma mensagem de voz mas achei que o melhor seria depois falar consigo pessoalmente. Peço-lhe desculpa pelo inconveniente! – falou o Nóvoa.
- Por quem é, Sr. engenheiro? São coisas que acontecem. Felizmente não houve incêndio nem nenhuma confusão grave. Esse problema que o Sr. engenheiro tem é que é muito chato – disse o graxista.
- É! Mas felizmente só me dá muito raramente. Tomo umas pastilhas para evitar fazer disparates a dormir.
E pouco depois o Óscar Ribeiro saiu do gabinete.
Continuou a parecer-lhe que muitos dos colegas tinham um ar zombeteiro, mas pensou:
- Não acredito que o engenheiro estivesse mancomunado com esta corja!
E armou a couraça da indiferença.


publicado por António às 13:37
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008
Histórias curtas XXXVII - Infidelidades
Reconversão do texto “Diálogos de gente VII – O corno” de 16 de Abril de 2006
 
Sábado à tarde.
O cinquentão Augusto Simões, professor de História, sabendo que a sua mulher Maria de Fátima, também docente da mesma disciplina mas noutra escola, tinha um compromisso no exterior com umas amigas, chamara a sua casa e esperava a chegada do seu irmão mais novo.
Serafim tinha menos dez anos do que ele.
A mulher tinha menos quinze anos. Ainda não fizera quarenta.
Quando o mano chegou, Augusto, muito circunspecto, disse-lhe:
- Ó Serafim! Preciso de alguém para desabafar.
- Sou todo ouvidos! – incitou o outro.
- Sabes que gosto muito da Fati, mas descobri que ela me trai.
Fez uma pausa.
O irmão fitava-o fixamente e com o rosto fechado, mas não dizia nada.
Por isso, continuou:
- Eu já há uns tempos que andava desconfiado. Todas, ou quasi todas as tardes de quarta-feira me dizia que ía até à baixa ver se havia alguma coisa interessante para comprar e encontrar-se com umas amigas. E aos sábados a mesma coisa. Mas, nesse dia, algumas vezes eu acompanhava-a. Até que resolvi segui-la na última quarta.
- Oh pá! – exclamou o outro.
- Deixa-me acabar! – pediu o Augusto e prosseguiu – Vi-a entrar para uma hospedaria. Passado pouco tempo entrou um tipo cuja cara me era familiar. Um colega dela, lá na escola. Ao fim de quasi duas horas a minha mulher saiu e pouco depois ele fez o mesmo. Cada um seguiu o seu caminho e ela regressou a casa.
- Desculpa-me interromper-te! – disse o Serafim – Mas porque desconfiaste?
- Sabes que ultimamente a tenho procurado pouco! – disse o Gusto – Ando com muito trabalho, os anos vão pesando e quando chegam as onze ou onze e meia vou para a cama e adormeço como uma pedra. Dantes, ela ainda me espicaçava e eu correspondia algumas vezes. Outras, dizia que queria dormir e descansar. Actualmente, nem eu nem ela. Não temos relações há algum tempo.
- Estou espantado! E agora? – perguntou o irmão.
- Agora? – e fez uma pausa, de cabeça baixa, o Augusto – Eu ainda gosto muito da Fati e não sei bem o que fazer. Digo-lhe o que sei ou não? Provavelmente não digo nada e vou tentar reatar uma actividade sexual mais frequente. Para isso preciso de trabalhar menos e descansar um pouco mais. Ela é nova e ainda com muito sangue na guelra. Pensei dizer-lhe tudo, mas o mais certo é perdê-la para sempre. Pode ser que, não falando em nada, a reconquiste. Como não falta muito para as férias vou propor-lhe fazermos uma viagem interessante, ao estrangeiro. Tentar que ela se afaste dele. E às quartas à tarde vou arranjar pretexto, pelo menos algumas vezes, para a acompanhar.
- Sabes se ele é casado? – quis saber o mano mais novo.
- Penso que sim.
- Podias contactar a mulher dele e contar-lhe. Assim seriam dois a ajudar ao fim da relação – sugeriu o Serafim.
- É uma ideia. Nem me tinha lembrado disso – retorquiu o enganado.
E continuou:
- Vou pensar melhor nessa hipótese, mas primeiro vou tentar o que te disse. Que achas?
- Se não lhe queres dizer nada é porque não estás interessado na separação. Portanto, e considerando que queres salvar o casamento, acho que a tua ideia parece ser boa. Mas não sei se o que há entre eles é meramente carnal ou é mais do que isso. Se ele for casado e também não quiser acabar com o casamento, talvez resulte. Embora a ajuda da mulher dele pudesse ser preciosa – alvitrou o Serafim.
- O pior é se ela resolve querer separar-se dele; assim fica o caminho aberto para a Fati e o gajo – lembrou o marido.
- Tens razão! Sabes que é muito difícil dar conselhos em situações destas, especialmente quando não se conhece as pessoas todas e um conjunto de detalhes. Não sei bem o que te diga! – confessou o irmão.
- Eu compreendo-te! Mas quis dizer-te isto para desabafar e para que tu estivesses ao corrente da situação. Pode ser que possas ajudar. Se não for hoje, noutras ocasiões. – disse o Augusto – Sabes que já me sinto mais desanuviado?
- Eu gosto muito de ti, mano. Na medida das minhas possibilidades, tentarei ajudar-te a reconquistar a tua mulher e a afastar o outro.
Com os olhos brilhantes, Augusto levantou-se e foi dar um beijo ao irmão.
- Eu sei que posso contar contigo. Mas o papel principal tem de ser meu.
Conversaram ainda algum tempo sobre este e outros assuntos.
Por fim, o mais novo despediu-se e saiu.
E foi pensando consigo mesmo:
- Então o meu irmão é corno! E corno manso! Mas isso é o que mais há! Como se costuma dizer: um homem sem cornos é como um jardim sem flores. Oxalá consiga atingir o objectivo de reconquistar a mulher. Ele gosta mesmo dela. Mas duvido que ela o mereça! 
                     
Finalmente, e após mais uns dias de investigação e meditação, o Augusto descobriu que a mulher do amante da Fati era professora na mesma escola onde ele leccionava e decidiu arriscar e ir falar com a colega Judite. Ela era uma professora de Português de uns quarenta e cinco anos, mais coisa menos coisa, que parecia ser a idade do marido, o professor de Matemática, Jaime Pereira.
Optou por a visitar em casa numa das quartas-feiras em que o marido saía, alegadamente para ir dar umas explicações a casa de dois irmãos.
Receosamente tocou à campainha. Veio à porta uma bonita moça dos seus vinte anos. 
- Pretendia falar com a Sr.ª Dr.ª Judite Pereira – disse.
- E quem devo anunciar?
- Augusto Simões, colega na escola.
- Um momento, por favor.
Pouco depois apareceu uma mulher muito elegante e, se não era uma beldade, tinha um ar sensual e apelativo.
- Desculpa aparecer assim, mas trata-se de um assunto muito sério e precisava de falar consigo a sós – sussurrou.
- Mas está aqui a minha filha! – falou também baixo a professora, como que influenciada pelo homem – Vamos ali ao café?
- Está bem!
- Olguinha! – gritou – Vou ali ao café falar com este colega e volto breve.
- Até já! – respondeu a moça.
Uma vez acomodados e depois de ela ter pedido um café e ele um descafeinado, o Augusto contou tudo o que sabia sobre os respectivos cônjuges.
A Judite ouviu-o atentamente mas parecia esboçar um ligeiro sorriso em vez de fechar o rosto ou soltar exclamações de admiração.
Por fim, ela falou:
- Eu já sabia isso tudo! O que tu fizeste já eu fizera também. Mas não sabia que atitude tomar e fui deixando a coisa correr.
Quem mostrava uma cara de espanto era o professor.
Mas ela continuou:
- Enquanto falavas, ocorreu-me uma ideia que é bastante perversa mas que acaba por se encaixar no adágio “amor com amor se paga” só que neste caso seria “cornos com cornos se pagam”.
- Mas…
- Exactamente! Tu parece que andas a seco e eu a seco ando. Tu parece não quereres destruir o teu casamento e eu, pelo menos para já e por razões um tanto complicadas e que não vem ao caso, também não. Portanto, enquanto eles se consolam, nós também nos consolamos e ao mesmo tempo vingamo-nos…
- Agora até me deixaste um tanto zonzo…
- Acredito! Já andava a pensar em o trair mas não sabia como: tu és o tipo ideal. Para que saibas, até tenho um fraco por ti…
- Confesso que também te acho uma mulher muito interessante... – descaiu-se o Augusto.
- Então começaremos por ir ver uma sessão de cinema no sábado à tarde e depois deixamos as coisas correrem normalmente. Dá-me o teu número do telemóvel e toma nota do meu.
Feita a permuta…
- Tu surpreendes-me com a capacidade de agir de forma tão fria e calculista. – deixou escapar o homem – Não gostas do Jaime?
- Gosto! Mas os meus sentimentos arrefeceram muito depois de ter descoberto a traição. Juro-te que não estou apaixonada.
- Eu também não! Mas ainda gosto muito da Fátima e tudo isto me tem custado imenso – confessou o Augusto.
E continuaram a conversar até acharem que era tempo de irem cada um á sua vida.
Conheciam-se mal mas, a hora e meia de conversa tão íntima e tão cúmplice, pareceu fazer nascer entre ambos uma estranha atracção.
 
E começaram rapidamente a ter encontros íntimos exactamente nas mesmas ocasiões em que a Fátima e o Jaime estavam juntos.
Iam para uma residencial num local bastante distante daquela onde o outro par se encontrava.
Até que, passados uns três meses, e quando o Augusto já nutria um importante afecto pela Judite, ela propôs:
- Da próxima vamos à “Rainha de espadas”. Certo?
- Onde eles se encontram? A que propósito? – inquiriu ele.
- Ora! É altura de saberem que nós estamos a par de tudo e que eles também são cornudos – falou ela com a frieza habitual.
- Achas boa ideia? Parece-me que vai perturbar a paz reinante – disse o Gusto em tom que deixava transparecer desacordo.
- Pois eu acho que é altura de definir as coisas: ou cada um volta para o seu parceiro, ou divorciamo-nos e eles fazem como quiserem e nós passamos a viver na mesma casa ou, no mínimo, a assumir publicamente a relação e a dormir juntos. Esta situação não se pode eternizar! – avançou, decidida, a mulher.
- Dá-me uns dias para meditar no assunto, sim?
- Ok! Uma semana? – sugeriu ela.
- Sim! Penso que é suficiente – anuiu ele.
E ao fim dos sete dias ele apareceu com a resposta:
- Acho que tens toda a razão! É tempo de decisões mais definitivas.
E quatro dias depois foram para a ”Rainha de espadas” e sentaram-se num sofá junto à porta mas pouco visível para quem entrasse na residencial.
Não tardou muito que aparecesse a Fátima.
Quando os viu sentiu um calafrio e ficou especada, mas a Judite disse-lhe:
- Pode estar calma! Não vamos para o vosso quarto.
Levantou-se, aproximou-se dela e continuou:
- Devo dizer-lhe que o vosso segredo já não o é há muito tempo. O que vocês não sabiam era que eu e o seu homem andávamos enrolados…
Neste momento entrou o Jaime que ficou parado junto da porta ao ver as duas mulheres. O seu primeiro pensamento foi fugir, mas conteve-se.
O Augusto levantou-se então e sugeriu:
- Vamos para os nossos quartos! – e acrescentou – Eu vou com a Judite, obviamente. E depois podemos ir jantar juntos e conversar.
- Penso que temos de conversar mas não hoje! – falou o recém-chegado, ainda sem perceber exactamente o que se passara – Primeiro quero falar com a Judite e com a Fátima.
- Muito bem! Eu também quero falar com elas. Portanto agora vamos ao amor e depois combinamos um jantar a quatro, se assim entenderem – falou, com uma frieza que o tornava irreconhecível, o Augusto.
- Então até mais ver! Vamos para cima! – e a Judite começou a pisar os degraus um a um.
O amante seguiu-a, como sempre, e os outros, bem conhecidos da funcionária da recepção, ficaram a olhar um para o outro com cara de basbaques enquanto a rapariga exibia um sorriso mordaz.
- Bom! Subimos, meu amor? – convidou a mulher.
Ele hesitou e respondeu:
- Sim! Mas tens de me explicar o que se passou.
-Sim, meu querido! Mas parece que brevemente vamos estar juntos muito mais tempo do que agora.
Deram-se as mãos e subiram também as escadas, dirigindo-se para um dos quartos onde tantas vezes se tinham amado.
 


publicado por António às 14:46
link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
|

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter