Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças!
Sábado, 24 de Maio de 2008
O cronista preguiçoso

O cronista estava não só sem inspiração mas com uma preguiça imensa.

Tinha dormido mal e tivera um dia estafante, mas não podia deixar de escrever a sua crónica habitual para o jornal do costume.
Deu uns passos pela casa olhando para todos os objectos, como que pedindo que algum deles lhe contasse uma história.
Em certo momento atentou num pequeno busto, em gesso branco, do grande Ludwig van Beethoven.
Conhecia-o desde pequeno, quando tinha lições de piano em casa. O objecto decorativo estava pousado sobre o piano vertical cujas teclas haviam sido vezes sem conta por ele marteladas mas nunca com a perícia suficiente para ousar exibir a sua falta de talento para além de um muito restrito número de familiares e amigos.
Se por alguma magia o compositor estivesse vivo e ainda com a audição a funcionar razoavelmente, desejaria por certo ficar surdo de repente!
Desse grande génio, o agora cronista só aprendera uma música: Fur Elise
Lindíssima, por sinal!
Como aliás toda a obra do autor, desde as nove sinfonias (e ele gostava particularmente dos três primeiros andamentos da 5ª e do último da 9ª), à ópera Fidelio, às magníficas sonatas para piano e tantas outras peças.
Beethoven era para ele o maior, não desde os tempos das lições de piano mas desde que começara a ouvir música erudita, quer em concertos quer em disco.
Pensou então consigo mesmo:
- Vou escrever sobre o grande Ludwig…
Sentou-se em frente do PC, abriu o Word e escreveu um pequeno texto acerca do seu prazer em escutar os sons soberbos inventados por aquele homem que tivera uma vida atormentada e atribulada.
Mas nada escreveu sobre o busto que estava agora na prateleira de um móvel do seu apartamento. Para lá viera após a morte, não muito afastada no tempo, do seu pai.
O piano dera-o a um familiar ainda jovem que tinha a pretensão de poder ser um razoável tocador do instrumento de cordas em que estas são percutidas por martelos que, por sua vez, são actuados pelos dedos do executante ao bater nas teclas brancas ou negras.
Após ter terminado o texto cuja feitura o obrigou a fazer algumas consultas, foi para a sala, sentou-se em frente da estatueta sem valor e pensou no passado até que os seus olhos ficaram inundados de água salgada como se a preia-mar tivesse chegado até eles.


publicado por António às 13:54
link do post | comentar | favorito
|

24 comentários:
De leonoreta a 24 de Maio de 2008 às 21:52
todas as peças musicais clássicas são lindissimas, principalmente quando lhes percebemos os andamentos.

pergunto como estará este cronista, primeiro desispirado e agora preguiçoso, para a semana em que ele terá de escrever mais uma crónica.
beijinhos


De António a 24 de Maio de 2008 às 22:34
Querida Leonor!
Por acaso já sei sobre o que vou escrever para a semana e não aparece o cronista...
Erraste o alvo!
ah ah ah

Beijinhos


De Anónimo a 24 de Maio de 2008 às 22:40
ai o cronista és tu?
ah! ainda nao tinha percebido.
beijinhos


De António a 25 de Maio de 2008 às 00:34
Não sou eu!
Mas é alguém inspirado em mim...

Beijinhos


De Vanda a 25 de Maio de 2008 às 09:12
Querido cronista,
A baixa-mar já aí vem.... com o olhos inundados, não vais poder ver o que escreves.... embora possas sentir...
Bj
Vanda


De António a 25 de Maio de 2008 às 09:31
Olá!
Por acaso faz hoje (25 de Maio) 62 anos que se casaram os meus pais...
Eu nasci 3 anos e tal depois.

Beijinhos


De Paula Raposo a 26 de Maio de 2008 às 09:15
Gosto deste cronista...beijitos, meu querido.


De António a 26 de Maio de 2008 às 12:44
Eu sei que gostas!
ihihihih

Beijinhos, Paula


De Maria a 26 de Maio de 2008 às 10:24
Comento pouco, mas visito-te muito e adoro ler as tuas histórias.
beijinhos


De António a 26 de Maio de 2008 às 12:50
Olá, desesperada!
Gosto que me comentes de vez em quando.

E não desesperes que morres cedo.

Beijinhos


De Vanda a 29 de Maio de 2008 às 10:58
Então, cronista "preguiçoso"! Tantos dias sem ler nada.... é castigo!
Bj


De António a 29 de Maio de 2008 às 12:56
Olá!
Estou a postar uma vez por semana, mais ou menos de 8 em 8 dias.
Mas cada vez o vou fazer menos.
Escrever para blogs já não me dá gozo nenhum ao fim de 3 anos sem interrupção.
O ritmo de postagens vai ser reduzido, certamente, até isto acabar por morrer...

Obrigado pelas tuas visitas e comentários.
Como vês, já ninguém liga nada a isto!

Beijinhos


De V a 29 de Maio de 2008 às 17:17
Ninguém liga? Não é o que me parece....
Bj


De António a 29 de Maio de 2008 às 21:41
O número de visitas é 1/3 do de há um ano.
O número de comentários deve ser 10 vezes menos...
E agora, já parece?

Beijinhos


De Brito Ribeiro a 29 de Maio de 2008 às 16:09
Fizeste-me recordar um pequeno leão de juba castanha que repousava sobre o sofá; ou seria no chão sobre a carpete em frente à secretária?

Abraço


De António a 29 de Maio de 2008 às 21:44
No hall de entrada sob uma mesa de tampo circular era um cão.
No chão, em frente à secretária, era um gato.
Também no chão, entre o piano e a secretáriia é que estava o leãozinho...ah ah ah

Abraços


De Brito Ribeiro a 30 de Maio de 2008 às 10:47
Bem me parecia que havia mais...

Abraço


De António a 30 de Maio de 2008 às 13:04
Não tens a visão clara que eu tenho do local...como é óbvio!

Abraço


De tb a 29 de Maio de 2008 às 20:00
Querido António,
Ando tão ou mais preguiçosa que o teu cronista. :)
Mas cá estou para me deliciar com mais uma das tuas histórias. Por acaso hoje falando de um dos compositores que mais admiro. :)
beijinhos


De António a 29 de Maio de 2008 às 21:47
Olá, minha querida!
O cronista anda desispirado e preguiçoso, mas não é só ele!
E acha que esta coisa dos blogs já deu o que tinha a dar...anda a tentar partir para outra!

Beijinhos


De Maria Papoila a 29 de Maio de 2008 às 21:46
Querido António:
Hoje o teu cronista "desinspirado" faz uma crónica sobre esse compositor que me arrebata! Beerhoven é o meu favorito.
Sabes que me conduziste a Romain Rolland e ao seu Jean Christophe...?
Beijos


De António a 29 de Maio de 2008 às 21:53
Papoilinha querida!
Vens sempre visitar o teu amiguinho.
Obrigado!

Beijinhos


De sophiamar a 30 de Maio de 2008 às 17:17
Olá, Querido Amigo!

Li a crónica, com muito gosto. Afinal o cronista acabou por encontar um tema que desencadeou numa viagem ao passado. Há viagens que desembocam na nossa "praia" como maré viva. Esta foi uma delas.
Continua, amigo.
Deixo-te mil beijinhos e o desejo de um bom fim de semana.


De António a 30 de Maio de 2008 às 21:38
Olá, minha querida!
Muito obrigado pela tua visita.

Beijinhos


Comentar post

Mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Este parte, aquele parte....

As fotos de 21 de Maio de...

O 21 de Maio de 2011

O meu terceiro livro (IV)

O meu terceiro livro (III...

O meu terceiro livro (II)

O meu terceiro livro (I)

É dos carecas que elas go...

Três meses depois...

As fotos de 15 de Maio de...

Arquivos

Maio 2013

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Outros blogs
Pesquisar neste blog
 
Visitantes
Hit Counter
Free Counter